Zeitgeist: Guam, território estratégico dos EUA no Pacífico | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 10.08.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Colunas

Zeitgeist: Guam, território estratégico dos EUA no Pacífico

Ilha tem grande importância devido à sua localização e abriga duas bases militares americanas, uma área e a outra marítima. Localidade também desempenhou papel-chave nas guerras do Vietnã e da Coreia.

Televisão sul-coreana mostra a distância entre a Coreia do Norte e Guam

Televisão sul-coreana mostra a distância entre a Coreia do Norte e Guam

A pequena ilha de Guam, no Oceano Pacífico, é um território americano desde 1898 e um ponto militar estratégico para os Estados Unidos. Ela abriga a Base Aérea de Andersen, no norte, e a Base Naval de Guam, no sul. Nelas estão estacionados cerca de 6 mil militares americanos.

A base naval remonta a 1898, quando os Estados Unidos tomaram Guam da Espanha, durante a Guerra Hispano-Americana. A base aérea foi construída em 1944 para facilitar ataques dos Estados Unidos ao Japão durante a Segunda Guerra Mundial.

A Base Naval é o porto de referência para quatro submarinos nucleares e dois navios-tênder (de apoio) de submarinos. Já a base de Andersen abriga um esquadrão de helicópteros e bombardeiros aéreos.

Os submarinos são utilizados em missões de reconhecimento na região, por exemplo na Península Coreana e no Mar da China Meridional, onde a China está construindo bases militares em ilhas artificiais.

Guam tem uma localização estratégica, perto da Península Coreana e de outros possíveis pontos de conflito da Ásia Oriental. Seul fica a 3.200 quilômetros, Tóquio está a 2.400 quilômetros e Taipei, a 2.700 quilômetros. Pyongyang fica a 3.500 quilômetros de distância.

Os Estados Unidos começaram a enviar bombardeiros, como o B-1, o B-2 e o B-52, para a base de Andersen em 2004, em parte para compensar as forças deslocadas de outras bases na região Ásia-Pacífico para lutar no Oriente Médio.

Em 2013, Guam recebeu um sistema de defesa antimísseis do tipo THAAD (Terminal High Altitude Area Defense). Ele é voltado para a destruição de mísseis durante a sua fase final de voo.

Embarcação da Marinha americana em Guam, no Oceano Pacífico

Embarcação da Marinha americana em Guam

Em 10 de dezembro de 1941, pouco depois do ataque a Pearl Harbour, no Havaí, tropas japonesas ocuparam Guam. O território permaneceu sob domínio japonês até 21 de julho de 1944, quando os americanos o retomaram.

Guam também desempenhou um papel importante durante a Guerra do Vietnã. A Força Aérea dos Estados Unidos enviou 155 bombardeiros B-52 para o território, de onde partiam para o conflito. Guam também foi um importante ponto de reabastecimento e de parada para os militares americanos que participaram da guerra.

Também devido à sua localização, Guam desempenhou um papel estratégico durante a Guerra da Coreia, entre 1950 e 1953.

Guam integra o arquipélago das Marianas e é um importante destino turístico por causa de suas praias e recifes de corais. Tem uma superfície de 544 quilômetros quadrados e 162 mil habitantes, todos eles cidadãos americanos com direitos limitados.

Assim como Porto Rico, Guam é um território não incorporado, o que, na prática, significa que seus habitantes não participam de eleições nos Estados Unidos, e seu único representante no Congresso não tem direito a voto.

A coluna Zeitgeist oferece informações de fundo com o objetivo de contextualizar temas da atualidade, permitindo ao leitor uma compreensão mais aprofundada das notícias que ele recebe no dia a dia.

Leia mais