YouTube bloqueia vídeos de música a usuários na Alemanha | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 02.04.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Economia

YouTube bloqueia vídeos de música a usuários na Alemanha

Uma disputa entre o YouTube e a Gema, sociedade alemã que protege os direitos de reprodução fonográfica, levou o portal de vídeos a bloquear o acesso de usuários na Alemanha à sua oferta de vídeos de música.

Portal conta com 13 milhões de usuários alemães por mês

Portal conta com 13 milhões de usuários alemães por mês

Na Alemanha, milhões de usuários de internet estão sem acesso a vídeos de música do YouTube. Nesta semana, o portal de internet começou a impedir a reprodução de vídeos de gravadoras em decorrência de uma disputa com a alemã Gema, Sociedade de Direitos de Execução e de Reprodução Mecânica de Música.

As negociações sobre a prorrogação do contrato de licença entre as duas partes fracassaram. O YouTube, site subsidiário do Google, se recusa a pagar o preço imposto pela Gema. Por um período transitório de um mês, a sociedade de proteção de direitos de reprodução fonográfica propôs uma taxa de um cent para cada acesso aos vídeos de música.

Difícil repassar para os artistas

O YouTube considera o preço economicamente inviável, alegando que o portal se financia através de propaganda e não pode reverter facilmente os custos. A tarifa posterior de 12 cents requerida pela Gema para renovação do contrato seria 50 vezes superior à que a PRS for Music, sociedade britânica análoga, exigiu do site. Nos cálculos de Patrick Walker, encarregado do YouTube para a Europa, a tarifa de 12 cents – se transferida para o mercado de discos – corresponderia a um preço de 500 euros para cada CD.

A Gema, por sua vez, alegou que não pôde negociar as taxas de licença porque o YouTube só admite a renovação do contrato na base de uma taxa única, estipulada de antemão, sem se dispor a oferecer informações suficientes sobre as obras musicais disponibilizadas ao usuário e sobre o número de acessos. No entanto, sem esses dados, não seria possível avaliar se a remuneração é justa, nem repassá-la aos detentores dos direitos autorais e às gravadoras.

A Gema estranhou a alegação de que o YouTube não dispõe desses dados, pois outros portais de música com os quais ela tem contratos de licença costumam fornecer regularmente o número de cliques. Sem a indicação do número de acessos aos vídeos, não é possível repassar as taxas aos artistas, justifica a Gema.

Bloqueio a 13 milhões de usuários por mês

Apesar de os vídeos de música do YouTube já estarem sendo bloqueados para o usuário alemão, as negociações entre o portal e a Gema deverão prosseguir. Responsável pela proteção dos direitos autorais de mais de 60 mil compositores, autores e editoras discográficas, a Gema não se sente sozinha na disputa com o YouTube, pois diversas sociedades europeias de proteção de direitos fonográficos vêm enfrentando o mesmo problema.

Na Alemanha, o YouTube é acessado por 13 milhões de usuários por mês; em todo o mundo são 300 milhões, segundo o próprio portal. Fundado no início de 2005 por três antigos funcionários da Pay Pal, pertencente à E-Bay, o YouTube foi comprado pelo Google em 2006 por 1,65 bilhão de dólares. A incorporação do site, que na época não tinha lucros, foi a mais dispendiosa da história do Google.

Por oferecer vídeos com fragmentos de obras protegidas por direitos autorais, o portal já foi processado por empresas de mídia várias vezes. Desde então, o YouTube já fechou diversos contratos de licença com grandes firmas, além de introduzir filtros para identificar cópias piratas com precisão.

SM/RR/ap/dpa

Leia mais