Votos às custas do Katrina? | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 02.09.2005

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Economia

Votos às custas do Katrina?

Catástrofe climática atinge campanha eleitoral alemã. Schröder anuncia apoio à liberação das reservas de petróleo, oposição defende a medida e ministro verde acusa EUA de "fecharem os olhos" frente a efeito estufa.

Alemanha concorda com liberação de reservas de petróleo

Alemanha concorda com liberação de reservas de petróleo

Se as enchentes que assolaram a Alemanha em 2002 foram co-responsáveis pela vitória do atual premiê, Gerhard Schröder, nas últimas eleições no país, o furacão Katrina vem inspirando comentários de políticos a duas semanas do pleito, que acontece em 18 de setembro próximo.

Tudo começou com um texto publicado pelo diário Frankfurter Rundschau, no qual o ministro alemão do Meio Ambiente, Jürgen Trittin (Partido Verde) relembrou a recusa dos EUA em assinar o Protocolo de Kyoto.

Olhos fechados

Klimakonferenz in Bonn - Jürgen Trittin

Jürgen Trittin, ministro alemão do Meio Ambiente

"O efeito estufa precisa ser drasticamente reduzido em todo o mundo. Os EUA fecharam os olhos para isso até hoje", afirma o ministro, ao relembrar que o cidadão norte-americano, em média, é responsável por mais do dobro da emissão de poluentes que o europeu.

"O governo Bush, mesmo assim, rejeita metas internacionais de defesa do meio ambiente, usando o argumento de que isso prejudicaria a economia norte-americana", completa Trittin.

"Lição de moral desnecessária"

As palavras do ministro foram consideradas pelo semanário Der Spiegel como uma "lição de moral" desnecessária, além de serem um sinal de "esquecimento histórico" a respeito do papel desempenhado pelos EUA no pós-guerra na Alemanha.

A revista acusa o político verde de oportunismo, ao afirmar que "no momento em que os cadáveres se amontoam no sul dos EUA, o ministro não tem nada melhor a dizer que acusar o país de ser, ele próprio, responsável pela catástrofe".

Prejuízos para relações bilaterais

Para o semanário, as declarações de Trittin contribuem para empurrar as relações bilaterais entre Alemanha e EUA ainda mais para o fundo do poço, relembrando a comparação entre Hitler e Bush, feita pela ex-ministra da Justiça, Hertha Däubler-Gmelin, pouco antes das eleições de 2002. "O texto de Trittin é um tapa na cara das vítimas", diz a revista, ao acusar o ministro de fazer uso da catástrofe para "disseminar um antiamericanismo sutil entre o povo".

Enquanto o ministro faz uma propaganda direta da política do atual governo social-democrata-verde em prol das energias renováveis – "que são copiadas não apenas na Ásia, como também na América Latina" – o Der Spiegel ironiza a postura ao afirmar que o ministro é "aquele homem que acha que todos nós andamos demais de carro, que satura nosso país com moinhos de vento e o abençoou impondo o depósito sobre as embalagens descartáveis".

Mau gosto

Einigung auf Zuwanderungsgesetz Reinhard Bütikofer

Reinhard Bütikofer

Os ventos do Katrina no cenário político alemão não param ainda por aí. O presidente dos Verdes, Reinhard Bütikofer, acusou Bush abertamente de ser um "reacionário do petróleo, que conduz uma política energética sob a perspectiva do lobby da indústria petrolífera e da energia atômica".

As acusações desencadearam reações entre os conservadores da União Democrata Cristã (CDU) e do Partido Liberal (FDP), que apontaram a postura dos Verdes como sendo "de mau gosto".

A liberação de reservas de petróleo é outro aspecto da catástrofe nos EUA que surte efeitos dentro da Alemanha, sendo defendida pela União Democrata Cristã (CDU), da candidata Angela Merkel, e pelo Partido Liberal (FDP).

"Jogo com o fogo"

A posição causou reações veementes da indústria petrolífera. "Este é um jogo perigoso com o fogo", alertou Klaus Picard, presidente da Confederação da Indústria de Combustíveis no país, salientando que as reservas servem para situações de emergência e não para a "regulação de preços".

Depois que os EUA solicitaram à Agência Internacional de Energia (IEA) a liberação de parte das reservas internacionais de petróleo, para sair da crise de abastecimento provocada pelo furacão, o premiê Gerhard Schröder afirmou em Berlim, nesta sexta-feira (02/09), que "a Alemanha obviamente apoiará esta medida".

Efeito imediato

Neuer Anstieg der Rohölpreise Benzin wird teurer

Preço da gasolina: reflexos imediatos no bolso do consumidor

Depois disso, já pôde ser observada uma certa redução no preço dos combustíveis. O pedido do governo norte-americano prevê a liberação diária de cerca de dois milhões de barris ao mercado durante um mês.

Schröder negou que seu surpreendente anúncio seja uma reação a reivindicações feitas pela oposição. "Parte da produção petrolífera dos EUA não funciona mais. Em consequência da decisão da IEA, os países seriam obrigados a liberar parte de suas reservas sob coordenação internacional", explicou o premiê.

Pela legislação alemã, a indústria de combustíveis é obrigada a manter reservas estratégicas suficientes para abastecer o país durante três meses. Segundo a associação das empresas do setor, a Alemanha têm reservas de 23 milhões de toneladas de petróleo cru e derivados.

Páginas 1 | 2 | Texto completo

Leia mais