Venezuelanos são agredidos e expulsos em Roraima | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 18.08.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Venezuelanos são agredidos e expulsos em Roraima

Grupos de brasileiros atiraram pedras e queimaram acampamentos de imigrantes neste sábado na cidade de Pacaraima. Conflito começou após comerciante ter sido assaltado, supostamente por venezuelanos.

Brasilien Gericht öffnet Grenze für Flüchtlinge aus Venezuela (Reuters/N. Doce)

Fronteira do Brasil com a Venezuela em Pacaraima (RR)

Grupos de brasileiros armados com pedras, paus e bombas caseiras atacaram neste sábado (18/08) venezuelanos que estavam acampados na cidade de Pacaraima, em Roraima, na fronteira com o país vizinho. Tendas dos imigrantes que haviam sido montadas pela cidade foram queimadas.

Segundo a Força-Tarefa Logística Humanitária para Roraima – composta pelas Forças Armadas e integrada por organismos internacionais, organizações não governamentais e entidades civis –, o conflito começou após um protesto organizado por moradores da cidade.

A manifestação foi convocada em resposta a um assalto sofrido por um comerciante brasileiro de 55 anos, que supostamente foi cometido por um grupo de venezuelanos na véspera. O comerciante teve 23 mil reais roubados e foi agredido. Ele está internado em um hospital da cidade.

"O fato gerou um descontentamento de alguns moradores de Pacaraima e, na manhã deste sábado, 18 de agosto, ocorreu uma manifestação com atos de violência e destruição de acampamentos de imigrantes situados em alguns locais públicos”, informou a Força-Tarefa, em nota.

De acordo com o jornal Folha de S.Paulo, após o protesto ter se dispersado, moradores de Pacaraima passaram a andar em grupos, perseguindo venezuelanos. Uma tenda usada por imigrantes chegou a ser derrubada com um trator. O conflito chegou a alcançar o posto de fronteira entre os dois países.

Um grupo de brasileiros chegou a atirar pedras em venezuelanos que tentavam cruzar a divisa. Membros da guarda venezuelana acabaram disparando tiros de advertência para afastar os brasileiros. Em resposta, venezuelanos passaram a vandalizar carros de brasileiros na fronteira. 

Em um vídeo divulgado no Twitter, um brasileiro que participa da queima de tenda diz “estamos expulsando os venezuelanos”. “Agora é desse jeito. Se não tem governante, se não tem autoridade por nós, nós que vamos fazer nossa autoridade. Fora venezuelanos!”

O padre Jesus Lopez Fernandez de Bobadilla, da igreja de Pacaraima, disse à Folha de S.Paulo que "a cidade está um caos”.

Com a grave crise política e econômica que atinge a Venezuela, centenas de milhares de pessoas têm deixado o país, a maior parte com destino à Colômbia e ao Equador. Entre 2017 e 2018, mais de 120 mil venezuelanos entraram em Roraima. Mais da metade deles já deixou o Brasil. Em julho, o governo brasileiro informou que 4 mil venezuelanos permaneciam em abrigos em Roraima.

O conflito deste sábado não foi o primeiro na região. Em fevereiro, um cidadão da Guiana foi acusado de ter ateado fogo em uma família venezuelana em Boa Vista.

A crise na região tem levado o governo de Roraima a solicitar regularmente o fechamento da fronteira. Neste sábado, em nota, o governo local reiterou o pedido após o início do conflito em Pacaraima.

"A solução para a crise migratória só acontecerá quando o Governo Federal entender a necessidade de fechar temporariamente a fronteira, realizar a imediata transferência de imigrantes para outros estados e assumir sua responsabilidade de fazer o controle de segurança fronteiriça e sanitária”, disse o governo local, em nota. O governo também informou que enviou reforço policial para a região.

JPS/ots

----------------

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp

 | App | Instagram | Newsletter

Leia mais