Venezuela vence longa batalha contra artista alemão | Colunas semanais da DW Brasil | DW | 10.02.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coluna Checkpoint Berlim

Venezuela vence longa batalha contra artista alemão

Em um final inesperado, pedra de 35 toneladas retirada de comunidade indígena voltará a parque nacional venezuelano, após 22 anos exposta no Tiergarten em Berlim. Brasil é alvo de artista na busca por substituta.

Pedra Kueka no Tiergarten, em Berlim

Venezuela arcou com custos do transporte da pedra

Após 22 anos, a pedra de 35 toneladas que desencadeou um impasse diplomático entre a Alemanha e a Venezuela finalmente foi retirada do parque Tiergarten, em Berlim, para retornar ao seu local de origem no Parque Nacional Canaima, localizado na fronteira venezuelana com o Brasil e a Guiana.

A notícia do retorno da pedra surpreendeu, ainda mais num momento em que a Alemanha reconheceu o líder opositor Juan Guaidó como presidente interino do país sul-americano. Apesar do reconhecimento, a negociação diplomática com o regime de Nicolás Maduro aparentemente seguiu na surdina. Em meados de janeiro, um acordo foi alcançado.

A pedra foi retirada da exposição no Tiergarten, sem avisos e anúncios, na última segunda-feira de janeiro. O governo venezuelano comemorou a vitória nas redes sociais. Segundo a imprensa alemã, Caracas se comprometeu a pagar o transporte do objeto de volta a seu país de origem – quem arcaria com essa despesa era um dos principais pontos de discórdia.

Já contei a história da pedra conhecida como Kueka aqui. No fim da década de 1990, um artista alemão teve a "brilhante" ideia de criar a exposição permanente Global Stones no Tiergarten, em Berlim, para promover a paz mundial. Ao escolher a pedra para representar a América e o amor, ele acabou causando um conflito diplomático que se arrastou por anos e, com sua recusa em devolvê-la, revelou ter um lado pouco pacifista.

Em 1998, o artista teria encontrado a pedra ideal na Venezuela, dentro de um parque tombado pela Unesco como patrimônio da humanidade. Segundo ele, o próprio governo venezuelano da época teria o presenteado com o mineral, conhecido pelos indígenas locais como Kueka. A comunidade pemón, que vive na região, contestava essa afirmação e argumentava que a Kueka foi levada sem que eles fossem consultados.

Os pemóns também afirmam que a Kueka é uma pedra sagrada e possui um importante significado para a sua cultura. Segundo eles, a pedra era a avó da comunidade, e sua remoção teria causado diversos desastres naturais na região. Além disso, por estar dentro de um parque tombado pela Unesco, não deveria ter sido retirada do local.

O artista contestava a versão dos indígenas, alegando que o governo venezuelano e ativistas teriam criado o mito da Kueka para manipular os pemóns. Ele chegou a apresentar como prova o parecer de um suposto especialista alemão em cultura pemón.

Em 2012, a disputa pela pedra levou centenas de pessoas à frente da embaixada da Alemanha em Caracas para protestar em favor da devolução. O artista acabou cedendo um pouco e disse estar disposto a devolver a Kueka, porém, somente se recebesse outra pedra para substituí-la.

Essa reivindicação aparentemente foi deixada de lado no atual acordo. Tanto que o artista anunciou que agora pretende buscar uma pedra no Brasil para completar sua exposição. Detalhes de onde e como ele quer encontrar a substituta não foram divulgados.

Estou curiosa para saber como será essa busca e seus limites éticos. Outro ponto que me interessa: qual será a reação dos pemóns ao verem o que aconteceu com a Kueka nos 22 anos que ela passou em Berlim? Além de ter sido polida e trabalhada pelo artista, ela ficou exposta a intervenções – muitos, principalmente turistas, não resistiram à tentação de escrever "fulano de tal passou por aqui em". A pedra, retirada intacta da Venezuela, voltará cheia de marcas para casa.

--

Clarissa Neher é jornalista da DW Brasil e mora desde 2008 na capital alemã. Na coluna Checkpoint Berlim, escreve sobre a cidade que já não é mais tão pobre, mas continua sexy. Siga-a no Twitter @clarissaneher

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais