Variante britânica do coronavírus pode ser mais letal, diz Johnson | Notícias internacionais e análises | DW | 22.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Variante britânica do coronavírus pode ser mais letal, diz Johnson

Primeiro-ministro do Reino Unido afirma haver evidências de que mutação pode causar mais mortes. Cientistas destacam, porém, que mais estudos são necessários para confirmar essa associação.

Primeiro-ministro britânico, Boris Johnson

Premiê britânico fez alerta sobre possível letalidade de nova cepa do coronavírus

O primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, afirmou nesta sexta-feira (22/01) haver "evidências" que indicam que a variante britânica do coronavírus estaria associada a um maior índice de mortalidade. Em dezembro, o país anunciou a descoberta desta cepa significativamente mais contagiosa.

"Fomos informados hoje que, além de se expandir mais rapidamente, agora também parece haver alguma evidência de que a nova variante, identificada em Londres e no sudeste, pode estar associada a um nível de mortalidade mais elevado", disse o premiê britânico numa entrevista coletiva. O país registrou nesta sexta-feira 1.401 mortes por covid-19 em 24 horas.

Johnson afirmou ainda que, devido ao impacto dessa nova variante, o Serviço Nacional de Saúde britânico (NHS) está "sob maior pressão". Ele acrescentou que os 38.562 pacientes com covid-19 atualmente em hospitais britânicos representam um aumento de 78% em relação ao recorde registrado na primeira onda, em abril.

O primeiro-ministro destacou ainda que as vacinas que estão sendo administradas no país são eficazes contra ambas as cepas.

Mais estudos necessários

Na coletiva, o principal conselheiro científico do governo, Patrick Vallance, afirmou que a informação sobre o aumento da taxa de mortalidade "ainda não é conclusiva". Mas, segundo ele, existem sinais de que, a cada 1.000 infectados com cerca de 60 anos, a nova cepa cause a morte de 13 ou 14 pacientes, enquanto a cepa antiga causa cerca de 10 óbitos neste grupo.

"Ainda existe muita incerteza sobre estes números e precisamos de mais estudos para torná-los mais precisos, mas existe uma preocupação que exista um aumento na mortalidade bem como na transmissão", acrescentou.

Vallance destacou que a variante britânica é entre 30% e 70% mais contagiosa que a original, embora o motivo ainda seja desconhecido.

O conselheiro também ressaltou que há sinais crescentes de que as vacinas são eficazes contra a nova variante. Há mais dúvidas sobre a eficácia dos imunizantes existentes contra as cepas identificadas na África do Sul e no Brasil, reconheceu Vallance.

Desde o início da pandemia, o Reino Unido registrou mais de 3,5 milhões de casos e 95.981 mortes. O país já vacinou cerca de 5,38 milhões de britânicos.

CN/efe/rtr/ap/lusa

Leia mais