Vacina da Pfizer reduz transmissão do coronavírus, indica estudo | Novidades da ciência para melhorar a qualidade de vida | DW | 22.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Coronavírus

Vacina da Pfizer reduz transmissão do coronavírus, indica estudo

Dados preliminares coletados em Israel apontam que imunizante é 89,4% eficaz na prevenção de infecções, trazendo esperança quanto à capacidade de vacinas para covid-19 de frearem contágios, além de prevenirem doença.

Vacina da Pfizer-Biontech contra covid-19

Quase um terço da população israelense já recebeu duas doses da vacina da Pfizer-Biontech

Ainda não se sabe se quem é vacinado contra a covid-19 pode ser infectado pelo coronavírus e transmiti-lo de forma assintomática para outras pessoas, mas um estudo realizado em Israel traz esperanças de que o imunizante desenvolvido pela Pfizer e a alemã Biontech seja capaz de frear a transmissão da doença.

Segundo dados preliminares do estudo, ainda não revisados ou publicados, a vacina da Pfizer-Biontech tem eficácia de 89,4% para evitar a transmissão do coronavírus Sars-Cov-2, incluindo casos assintomáticos. Infecções sintomáticas seriam reduzidas em 93,7%.

No estudo foram analisados dados de dezenas de milhares de testes positivos para o coronavírus. A eficácia de 89,4% significa que os pesquisadores constataram que, num determinado período, a proporção de diagnósticos de Sars-Cov-2 entre pessoas que receberam duas doses da vacina foi muito menor do que a entre pessoas não vacinadas.

O estudo foi conduzido pelas parceiras Pfizer e Biontech e pelo Ministério da Saúde de Israel. Quase um terço da população israelense já recebeu duas doses do imunizante da Pfizer-Biontech, fazendo com que o país tenha uma rica base de dados para estudos.

Os resultados preliminares da pesquisa foram obtidos pela agência de notícias Reuters na última sexta-feira (19/01), após serem noticiados inicialmente pelo portal israelense Ynet. Vários veículos internacionais destacaram o estudo no fim de semana.

Os pesquisadores, no entanto, alertaram que a eficácia em termos de prevenção de infecções pode ter sido superestimada em razão dos métodos utilizados nesse estudo em particular, noticiou a agência de notícias DPA, que também teve acesso aos dados preliminares.

O especialista em saúde do Partido Social-Democrata alemão (SPD), Karl Lauterbach, apontou que, se os dados do estudo israelense se confirmarem, alcançar a chamada imunidade de rebanho seria possível por meio da vacinação. "Isso permitiria muito mais normalidade novamente", afirmou, segundo a emissora alemã WDR.

Eficaz após primeira dose

Até o momento, só havia conhecimento científico quanto à proteção de vacinas contra a doença covid-19 e não contra o contágio pelo vírus.

Estudos realizados em Israel concluíram que a eficácia da vacina da Pfizer-Biontech é de 95,8% depois da aplicação da segunda dose, segundo o Ministério da Saúde do país. O imunizante é 98% eficaz contra a manifestação de sintomas como febre e dificuldades para respirar e 99% contra internações, quadros graves da doença e morte, apontou a pesquisa. Análises anteriores já haviam apontado uma eficácia de 95% para a vacina.

Na última sexta-feira, um estudo, também conduzido em Israel, indicou que a vacina da Pfizer-Biontech é altamente eficaz após a aplicação da primeira dose. O imunizante tem eficácia de 85% de duas a quatro semanas após a aplicação, segundo pesquisa publicada na revista científica The Lancet.

Vacina suporta temperatura mais quente

Além disso, a Pfizer e a Biontech disseram que sua vacina pode suportar temperaturas mais quentes do que se pensava inicialmente, o que simplificaria potencialmente a complexa logística da cadeia de distribuição.

As empresas solicitaram ao órgão regulador dos EUA a permissão para que a vacina seja armazenada por até duas semanas em até 15 graus Celsius negativos, temperatura comumente encontrada em freezers e geladeiras farmacêuticas.

Sob as diretrizes existentes, a vacina da Biontech-Pfizer precisa ser armazenada a uma temperatura de entre 80 a 60 graus Celsius negativos até cinco dias antes do uso, um processo delicado que requer recipientes especiais para embarque e gelo seco para armazenamento.

lf/as (Reuters, DPA, ARD)

Leia mais