Universitários alemães ajudam escolares a entender a universidade | Tudo o que você precisa saber para estudar na Alemanha | DW | 14.03.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Estudar na Alemanha

Universitários alemães ajudam escolares a entender a universidade

Na Universidade do Ruhr, em Bochum, estudantes prestam assistência a escolares que se interessam por determinados cursos. Quem frequenta uma graduação se dispõe a ajudar aqueles que ainda não ingressaram na universidade.

Frente às 20 faculdades do campus, cuja extensão é maior que 49 campos de futebol juntos, Annika se sente um pouco perdida, afinal, orientar-se ali não é nada fácil. A escolar de 17 anos está absolutamente decidida a cursar medicina na Universidade do Ruhr, em Bochum, a partir do próximo ano. "Para isso, pretendo me preparar o melhor possível", diz ela, mirando-se conscientemente no exemplo da estudante Friedrike. "Acho que com a ajuda dela vou conseguir", conclui Annika.

As duas se conheceram há alguns meses através de uma intensa troca de e-mails. Tendo em vista a graduação em medicina, Annika dá hoje seus primeiros passos no campus, ao conhecer a Faculdade de Medicina, a biblioteca e o laboratório. Um encontro no campus faz parte do programa "Mailmentoring Plus", do qual Annika e Friedrike participam.

Desde 2006, estudantes da Universidade do Ruhr prestam assistência durante um semestre a escolares que se interessam pela graduação que frequentam – um programa único em toda a Alemanha, integrado até agora por mais de 160 casos onde universitários ajudam escolares.

Saber quem se esconde por trás dos e-mails

Mailmentoring

Annika e Friederike na biblioteca da universidade

"Considero os encontros pessoais na universidade especialmente importantes", explica Friedrike, uma das monitoras do programa. "É uma bela experiência conhecer as pessoas que se escondem por trás dos e-mails, pois muitas perguntas podem ser mais bem respondidas em conversas pessoais", diz ela. Como por exemplo questões sobre como se orientar na área do campus, como usar a biblioteca, como funciona o trabalho em um laboratório ou onde é mais fácil conhecer outros estudantes.

"Os jovens têm hoje uma série de possibilidades de escolha em relação a o que e onde estudar, isso os deixa inseguros", diz Magdalena Zomerfeld, coordenadora do projeto. "Nosso programa de monitoramento através de e-mails dá, de início, uma ideia a respeito do curso pelo qual o estudante se interessa. E também sobre a vida estudantil", explica Zomerfeld.

Um programa que faz sentido não somente devido à oferta cada vez mais ampla de graduações na Alemanha, mas que ajuda também diante das condições de admissão nas universidades, que vêm se tornando menos compreensíveis e mais rígidas. Somente a Universidade do Ruhr oferece 153 graduações diferentes e tem 37 mil estudantes.

Encorajados a estudar

Mailmentoring

Visita guiada ao laboratório

Ou seja, não é nada surpreendente o fato de que principalmente cursos como os de medicina, psicologia e química sejam muito procurados pelos usuários do projeto de monitoramento. "Os jovens querem saber quais critérios eles precisam obedecer para serem admitidos, quais as exigências a serem cumpridas durante os estudos e quais conhecimentos de inglês e matemática são esperados deles", resume Zomerfeld.

Depois da participação no projeto, aproximadamente 10% a 15% dos escolares acabam escolhendo outra graduação ou até mesmo desistem de um curso universitário. Mas não importa se pretendem estudar medicina, psicologia, ciências econômicas ou sociais, fato é que a maioria dos jovens sente-se encorajada através do contato pessoal com um estudante. E iniciam seus estudos depois com mais informações a respeito, observa Zomerfeld.

Todas as perguntas são permitidas

O projeto já contou com a participação de estudantes de escolas estrangeiras. Em função da distância, não foi possível organizar encontros pessoais, mas os escolares do Irã ou da América Latina puderam fazer suas perguntas sobre a vida estudantil na Alemanha por e-mail. "No contato pessoal, a vantagem é que se pode perguntar abertamente tudo o que interessa aos jovens", fala Zomerfeld.

Perguntas bobas não existem, encoraja a monitora Friederike, que já prestou assistência a cinco estudantes do ensino médio. Os serviços não contam como créditos em sua graduação, nem trazem qualquer espécie de vantagem do gênero, mas o contato com as escolares é proveitoso e importante, em sua opinião. "Se eu não tivesse tido minha irmã mais velha, que também estuda medicina, teria ficado totalmente desorientada no início dos meus estudos", confessa ela.

Autora: Sabine Damaschke (sv)
Revisão: Carlos Albuquerque

Leia mais

Publicidade