Um terço dos brasileiros inscritos no Mais Médicos não se apresenta para trabalhar | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 15.12.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Um terço dos brasileiros inscritos no Mais Médicos não se apresenta para trabalhar

Prazo para apresentação dos que suprirão saída dos médicos cubanos se encerrou sem comparecimento de muitos. Brasileiros ligados ao programa relatam total desassistência em comunidades, sobretudo do Norte.

Mulher espera atendimento médico após fim de programa Mais Médicos

Fim do programa Mais Médicos deixou muitas comunidades desassistidas

A médica de família Marina Abreu admite que não conhecia a real complexidade do Brasil até começar a trabalhar como tutora de coordenadores do programa Mais Médicos. No Norte do país, ela conheceu locais que nunca tinham recebido um médico, aonde só se pode chegar após longas viagens em barcos com furos e sem assentos. Ela se emociona ao falar sobre a situação das comunidades que voltaram a ficar sem atendimento após a saída dos profissionais cubanos no último mês.

"O programa vinha avançando e tinha passado da fase de novidade pela chegada dos médicos. Havia projetos em andamento e uma forte adesão aos tratamentos pela população, que criou vínculos com os profissionais. Estavam sendo feitos procedimentos como a colocação de DIU, que é simples, mas não era feito antes por uma série de limitações. O médico já conhecia aquela população e conseguia fazer um trabalho específico."

Visando à reposição dos profissionais cubanos, o governo brasileiro abriu um edital para os médicos interessados em participar do programa. Na última sexta-feira (14/12), acabaria o prazo para que os 8.411 inscritos se apresentassem nos novos postos de trabalho. Entretanto, 2.520 (cerca de 30%) não compareceram. A situação levou o Ministério da Saúde a prorrogar para a próxima terça-feira a data limite para início das atividades.

Outras 106 vagas do edital sequer tiveram interessados. Elas correspondem a 31 localidades, sendo 23 municípios do Amazonas, Pará, Piauí e Rondônia, além de oito Distritos Sanitários Especiais Indígenas (DSEIs), unidades de responsabilidade sanitária federal correspondentes a uma ou mais terras indígenas.

Marina trabalhou até fevereiro deste ano como supervisora de DSEIs no município de Marechal Thaumaturgo, no Acre. Há voos comerciais duas vezes por semana para lá, num avião que comporta de seis a oito pessoas. A alternativa é a viagem de barco, que dura oito horas.

"A maioria dos barcos não tem cobertura ou assento para encostar as costas. É bem precário e toma tempo. No Norte do Brasil, o clima define muito o que dá para fazer. Se chove muito, o rio fica cheio demais e se torna perigoso, pois a correnteza é forte e descem troncos e árvores inteiras que se soltaram. Quando chove pouco, o motor do barco não circula, e aí o barco pode virar porque o rio está barrento. A logística era difícil, complicada, e dá uma ideia de como é complexo fazer o atendimento em áreas indígenas."

Indígenas do povoado de Bahias Viana, no Maranhão

Interação com populações indígenas é delicada

Como supervisora, Marina recebia relatos de situações em que não fora possível transportar pacientes para uma cidade maior, com melhor estrutura. Se fosse necessário, os profissionais realizavam partos e suturas, pois não haveria tempo de chegar a um local com condições mais adequadas. Além dessa adequação, o trabalho nas DSEIs também demanda uma compreensão dos costumes da comunidade.

"Estávamos levando a medicina do homem branco para uma área indígena, e isso traz conflitos de medicação. A ideia não era impor a medicina do homem branco, e sim contribuir e colaborar com o que eles já praticam na medicina deles. No caso de etnias com pajés, o médico só entrava na aldeia com autorização dele. Há grupos que não têm o costume de ter banheiro, outras que não têm construções. O médico se adaptava àquilo e fazia o trabalho de orientação, principalmente. Quando necessário, fazia intervenção mesmo, com tratamento medicamentoso, sempre com consentimento ou de forma compartilhada com os pajés e demais lideranças."

As áreas contempladas pelo Mais Médicos na região Norte apresentam um perfil populacional heterogêneo. Além dos povos indígenas, há ribeirinhos, quilombolas e também muitas comunidades de agricultores. No sul do Pará, está localizada a comunidade Vila Estrela, no município de Cumaru do Norte, onde trabalha o enfermeiro Valdir dos Reis. Ele conta que a população local está desassistida desde a saída do médico cubano que lá estava.

"O doutor Humberto García está fazendo muita falta. Nossa unidade funciona de 7h às 11h e de 14h às 17h. Ele cumpria rigorosamente os horários, o que infelizmente não se via entre os brasileiros que passaram por aqui. Nós ficamos de sobreaviso para qualquer eventualidade, qualquer emergência que surgir no período noturno e finais de semana também. A população não precisava mais ir para outras cidades para fazer esse tipo de atendimento, porque aqui tinha."

Assistir ao vídeo 02:14

"É trabalho escravo", diz Bolsonaro sobre o Mais Médicos

Com a partida do profissional cubano, Valdir só consegue prestar os atendimentos primários e encaminhar os pacientes para o hospital mais próximo, que fica a 120 quilômetros de distância, sendo 80 quilômetros em estrada de terra. A comunidade conta com uma ambulância antiga, desgastada e pouco confortável. Mesmo serviços mais básicos, como atestados e pedidos de exames, não vêm mais sendo oferecidos.

No edital do governo, foram abertas três vagas para o município de Cumaru do Norte, sendo uma delas justamente na Vila Estrela. Elas haviam sido preenchidas, entretanto os profissionais desistiram após conhecer a realidade do local. Hoje, o Brasil tem cerca de 5 mil médicos especializados em Saúde da Família, para atender a mais de 25 mil unidades de saúde. Marina Abreu, que estudou Medicina em Cuba, destaca a valorização que essa especialidade recebe no país caribenho.

"Antes de fazer outra especialização, todos os médicos que se formam em Cuba precisam fazer dois anos de residência em Saúde da Família. Além disso, o curso é completamente voltado para a medicina de família e comunidade. A disciplina de Medicina Geral e Integral é oferecida em todos os anos. Desde 2014 vem se tentando no Brasil fazer com que essa área seja a principal disciplina do curso, o que é feito desde sempre em Cuba."

Além de prorrogar o prazo de apresentação dos médicos inscritos no edital até a próxima terça-feira, o Ministério da Saúde também estendeu a inscrição até este domingo. Houve picos de instabilidade no site, causados pelo grande número de acessos, o que pode ter ocasionado dificuldades no momento da inscrição. Estrangeiros formados no exterior e sem registro no Brasil também podem participar.

A DW Brasil entrou em contato com o Ministério da Saúde para indagar se há um planejamento específico da pasta para as áreas mais remotas que não vêm atraindo interesse dos médicos brasileiros. Até o fechamento da reportagem, não houve retorno.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados