1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW

Um passeio por Bremen e a fábula dos músicos

19 de novembro de 2021

[Vídeo] Você pode nunca ter ido a esta cidade no norte da Alemanha. Mas você já deve ter topado, mesmo sem saber, com sua rica história, repleta de fábulas e que remete a tempos medievais. O canal Alemanizando conta por quê.

https://www.dw.com/pt-br/um-passeio-por-bremen-e-a-f%C3%A1bula-dos-m%C3%BAsicos/video-59884769

Você já esteve em Bremen? Mesmo que você nunca tenha visitado esta cidade localizada no norte da Alemanha, com certeza você já deve ter ouvido falar de Bremen no clássico dos Irmãos Grimm, Os Músicos de Bremen, publicado pela primeira vez em 1819. É uma história muito simpática, com uma mensagem de trabalho em equipe e de nunca desistir.

O bairro medieval da cidade, chamado de Schnoor, tem edifícios que datam do século 14 e está profundamente ligado às tradições comerciais marítimas de Bremen. Até o nome, Schoor, se refere às cordas e cabos que foram produzidos aqui há séculos. É o único local de Bremen que mantém características medieval, embora muitas das construções tenham ocorrido muito mais tarde. Não foi muito danificado durante a segunda guerra mundial, e após esforços de renovação a partir de 1959, tornou-se um dos lugares mais atrativos para visitar e um dos mais agradáveis para tomar um cafézinho. 

Uma das razões pelas quais Bremen tinha tanta autonomia era porque tinha um poder econômico muito grande, pois fazia parte da Liga Hanseática. Ela era uma organização comercial poderosa, com cooperação e fusões de mercadores para a promoção de seu comércio no exterior e sua influência era gigantesca, com membros de países como de Portugal à Rússia e rotas de países escandinavos à Itália. Em seu auge, a Liga Hanseática era tão poderosa que podia impor bloqueios econômicos contra reinos inteiros para fazer valer seus interesses econômicos.

Por mais mística e lendária que pareça, Bremen ainda é uma cidade de verdade! Vivendo a vida no seu próprio ritmo, mas nunca desconectada de outras pessoas próximas e distantes, tudo graças ao rio Weser.