1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Cartaz sendo pisado, com foto de militar cancelada e inscrição "Que vergonha, ditador. Nunca te perdoaremos"
Junta militar que governa Mianmar vem perdendo apoio após repressão brutal aos protestosFoto: STR/AFP
ConflitosMianmar

Um ano após golpe militar, impasse perdura em Mianmar

Rodion Ebbighausen
1 de fevereiro de 2022

Em 1º de fevereiro de 2021, generais derrubaram governo eleito democraticamente em Mianmar e tomaram o poder. Mas, a junta enfrenta graves desafios, com o surgimento de milícias armadas em todo o país.

https://p.dw.com/p/46NSE

Desde que o Tatmadaw, as Forças Armadas de Mianmar, deu um golpe e tomou o poder, em 1º de fevereiro de 2021, milhares de manifestantes, combatentes da resistência, autoridades, soldados e civis foram mortos.

O número exato é difícil de determinar e depende, em grande parte, das organizações de direitos humanos que ainda operam em Mianmar. Um grupo de oposição à junta militar que governa o país, a Associação de Assistência a Prisioneiros Políticos, afirmou em 13 de janeiro que 1.463 "heróis" perderam suas vidas ao resistirem ao golpe.

A ONG Localização de Conflitos Armados e Projeção de Dados das Ocorrências (ACLED), estima que o total de mortes relacionadas ao golpe seria de mais de 11 mil. Esse número se baseia em artigos de jornais, relatórios de outras ONGs e mortes reportadas nas mídias sociais.

Um estudo da Organização Internacional do Trabalho (OIT) divulgou em janeiro um estudo, segundo o qual 1,6 milhão de birmaneses teriam perdido seus empregos desde o golpe.

Dados da ONU apontam que quase 350 mil cidadãos foram forçados a se deslocar de seus locais de origem para outras regiões. Cada vez mais jornalistas são assassinados, presos, ou acabam fugindo do país.

"Penso que a situação atual é a mais desesperadora desde a independência de Mianmar, após a Segunda Guerra Mundial. O golpe de fevereiro, basicamente, foi uma declaração de guerra dos militares contra o povo de Mianmar”, avaliou o especialista David Scott Mathieson, em artigo no jornal local The Irrawaddy.

Resistência multifacetada

Nas últimas décadas, os conflitos em Mianmar ocorriam, primeiramente, entre o Tatmadaw, que recruta soldados da etnia majoritária bamar, e milícias afiliadas a minorias étnicas que vivem em regiões remotas. Hoje, porém, combates intensos ocorrem no coração do país, como na região central de Sagaing.

Essa resistência armada disseminada emergiu depois que os protestos de centenas de milhares, opondo-se ao Tatmadaw em nível nacional, fracassaram em derrubar a junta militar.

Os militares conseguiram retirar os manifestantes das ruas com o emprego de força bruta e mortal. Esse uso da violência, contudo, contribuiu para intensificar a oposição popular aos militares no poder. 

Apesar de não haver estudos empíricos disponíveis, diversos observadores concordam que a ampla maioria da população birmanesa rejeita o governo militar.

Há indícios de que milícias populares estão se proliferando pelo país. O especialista em assuntos militares Anthony Davis afirmou, em artigo no jornal Asia Times, que em torno de 50 dessas "forças populares de defesa" já foram criadas, algumas das quais, apoiadas por grupos étnicos armados.

As milicias realizam ataques a grupos do Exército, policiais, informantes e instalações de segurança, e até entram em confronto direto com o Tatmadaw.

Os grupos étnicos e seus exércitos há muito operam de maneira independente do governo central. Eles também têm um peso na disputa de poder entre as recém-criadas milícias populares, os movimentos de desobediência civil e os militares.

Alguns desses grupos étnicos fornecem abrigo e treinamento às milicias da oposição, ao mesmo tempo que insistem em manter o controle total das áreas sob seu domínio, segundo um relatório divulgado recentemente pelo International Crisis Group.

O documento destaca que, enquanto muitos grupos étnicos armados são hostis aos militares, somente alguns apoiam abertamente a oposição, uma vez que a conclusão do conflito ainda é incerta.

Possíveis cenários

Mesmo que ninguém saiba ao certo como a situação em Mianmar se desenrolará em 2022, três cenários são bastante possíveis: ou os militares prevalecem, ou a oposição sai em vantagem, ou o atual impasse continua. Entretanto, nenhuma dessas alternativas levaria à paz e prosperidade em Mianmar.

Se os militares prevalecerem, ganharem o controle sobre uma parte ampla do país e convocarem eleições, conforme prometido, uma grande parcela da população ainda rejeitaria a legitimidade do Tatmadaw.

Os militares teriam então de lançar permanentemente mão da repressão e vigilância para se manter no controle, e sua consolidação no poder não seria possível no futuro próximo. Sob tais condições, seria difícil manter o desenvolvimento político e econômico.

Um segundo cenário envolve o triunfo do Governo de Unidade Nacional (o governo birmanês atualmente no exílio), do Comitê Representativo Pyidaungsu Hluttaw (CRPH), formado por um grupo de parlamentares cassados, e de suas "forças populares de defesa".

Isso significaria que o Tatmadaw e suas famílias, que somam centenas de milhares, teriam de ser reintegrados de alguma forma na sociedade. De outro modo, novas milícias e grupos armados poderão surgir e dar continuidade à desestabilização do país.

Há também o perigo de Mianmar se dividir ainda mais ao longo das linhas étnicas. Em nenhum momento, desde a independência, o governo central conseguiu ter controle sobre todo o território nacional.

Desde o golpe de 1º de fevereiro, regiões e minorias étnicas têm utilizado a instabilidade generalizada para expandir suas autonomias. Uma fase de transição, seguida de um possível colapso dos militares e o estabelecimento de um novo sistema, pode se tornar uma oportunidade para alguns grupos minoritários consolidarem seu controle.

Nenhum lado é forte o suficiente

Entretanto a maioria dos especialistas não acredita que nenhuma solução militar ocorrerá no futuro próximo. As milícias populares carecem de equipamento, estratégia e coordenação. Há, na melhor das hipóteses, uma cadeia rudimentar de comando. O Governo de Unidade no exílio não foi reconhecido oficialmente por nenhum país do mundo e possui poucos recursos financeiros.

Manifestante solitário em frente a um cordão de policiais. Protestos em Mianmar foram brutalmente reprimidos pelas forças de segurança
Protestos em Mianmar foram brutalmente reprimidos pelas forças de segurançaFoto: AA/picture alliance

Sua sede fica numa região remota de Mianmar, próxima à fronteira com a Tailândia. Isso cria uma dependência da boa vontade das minorias étnicas na região e do regime militar tailandês, que também tomou o poder através de um golpe de Estado.

O Tatmadaw, por outro lado, tem de lidar com o fato de quase todo o país estar em turbulência, o que impede a concentração de suas forças. O moral dos soldados também estaria em queda, segundo afirma o especialista militar Anthony Davis.

Os militares poderão sofrer problemas de recrutamento no médio prazo, não somente entre soldados, mas também entre os oficiais mais graduados. O Tatmadaw, nos últimos anos, gerou tamanha animosidade, que cada vez menos cidadãos estão dispostos a se alistar para o serviço militar, que não é obrigatório no país.

Os militares são considerados pela oposição como meros ocupantes do poder. Ao contrário de exemplos históricos, como as ocupações britânica e japonesa do país, o Tatmadaw não tem para onde retroceder. Sua luta é, portanto, uma questão de sobrevivência.

O prolongamento do impasse é a hipótese mais provável para Mianmar. "Nem os militares nem a oposição vão prevalecer no futuro próximo; a resultante intensificação do conflito terá consequências humanitárias significativas”, avaliou recentemente o International Crisis Group.

Em outras palavras, nenhum lado sairá vencedor, mas o país inteiro e sua população sairão como perdedores.