UE vai defender reforma dos mercados financeiros na cúpula do G20 | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 24.06.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

UE vai defender reforma dos mercados financeiros na cúpula do G20

Líderes da União Europeia levarão a Toronto, cidade que sedia encontro do G20 no fim de semana, uma reforma dos mercados. Assunto continua aquecendo debates e provocando resistência.

default

Toronto vai sediar encontro

Já faz um ano que o presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, vem fazendo esse apelo – e que ainda não deixou de ser atual: "Agora ou nunca! Se não for agora, que estamos numa verdadeira crise, quando então reformaremos o setor financeiro e a supervisão fiscal?"

A União Europeia (UE) deve apresentar no encontro do G20, que acontece neste fim de semana (26-27/06), uma reforma do mercado financeiro – embora a própria UE ainda não tenha conseguido fortalecer o controle e regulamentação sobre os mercados.

Nesse ínterim, muito sobre o assunto foi discuto pelos países-membros, pela Comissão e pelo Parlamento Europeu, mas foram poucas as decisões concretas. Em defesa, as partes alegam que a busca de acordos em estruturas complexas das instituições europeias são sempre muito demoradas.

Primeiros

G8 G20 Kanada 2010 Logo

Grande parte da iniciativa foi tomada por Michel Barnier, comissário de mercado interno da UE e também encarregado do controle dos mercados financeiros. À primeira vista, a crença de Barnier soa simples. "Os contribuintes não podem mais serem responsabilizados por compensar as falhas de gestão e os erros dos bancos", prega o comissário.

Em consequência, as instituições europeias informam-se a respeito de uma série de medidas para fortalecer o controle e orientar a supervisão dos setores financeiros. Trata-se, por exemplo, da regulamentação do comércio de derivativos de crédito de proteção contra a inadimplência, os Credit Defaut Swaps (CDS), além de regras para fundos de hedge e para companhias privadas de investimentos. E, até o fim do ano, as primeiras regras para agências de rating entram em vigor.

Em muitos casos, no entanto, ainda não está claro o resultado exato do processo de negociações. Os britânicos, principalmente, com seu centro financeiro mundialmente importante, Londres, são contrários a intervenções que restrinjam o setor bancário.

No último e recente encontro de cúpula da UE, a premiê Angela Merkel conseguiu obter do primeiro-ministro britânico, David Cameron, uma posição favorável ao imposto sobre transações financeiras, embora o preço disso tenha sido um acordo formulado de forma muito vaga.

"Sem dúvida, o Conselho da UE disse hoje: Queremos desenvolver um sistema de impostos sobre transações financeiras e explorar, investigar, como isso pode ser feito. E vamos defender isso juntos, ou seja, todos os países-membros do bloco representados em Toronto", disse Merkel se referindo ao encontro do G20.

Argumentos contrários

Michel Barnier

Michel Barnier, comissário da UE

Em primeiro lugar, é verdade que cada país da União Europeia pode desenvolver e explorar seu próprio sistema de tributação sobre transações financeiras. Em segundo lugar, dizem muitos, tal sistema só teria sucesso se empregado mundialmente. Além disso, fora da Europa a resistência é muito grande.

No Parlamento Europeu, há poucos dias, Rebecca Harms, vice-líder da bancada verde, nao escondeu sua decepcao: "Para meu partido, por exemplo, toda essa discussão a respeito do imposto sobre transações financeiras deixa claro que não se pode mais fazer isso com os cidadãos da UE, ou seja, continuar apenas falando sobre o assunto e empurrando o tema, como uma batata quente, entre todas as esferas políticas que de alguma forma têm poder de decisão".

De qualquer maneira, até o encontro de Toronto, não há tempo hábil para a maior parte do que a União Europeia planeja fazer na área de reforma financeira. Num ponto, entretanto, os chefes de Estado e governo presentes no último encontro de cúpula da UE, na última semana, surpreenderam: eles decidiram que tornarão públicas, até o fim de julho, as informações do chamado teste de estresse dos grandes bancos. A decisão foi muito além daquilo que se poderia esperar de um "encontro descompromissado".

Autor: Christoph Hasselbach (np)

Revisão: Soraia Vilela

Leia mais