1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Ursula von der Leyen
A líder da UE, Ursula von der Leyen, alertou para sanções que poderiam ter um custo maciço para a RússiaFoto: Julien Warnand/AP/picture alliance

UE reforça ameaça de impor sanções se Rússia invadir Ucrânia

17 de dezembro de 2021

Diante do deslocamento de tropas russas para a fronteira com país vizinho, líderes da UE alertam para "consequências maciças" no caso de uma invasão e prolongam sanções impostas em 2014. Otan manifesta apoio à Ucrânia.

https://www.dw.com/pt-br/ue-refor%C3%A7a-amea%C3%A7a-de-impor-san%C3%A7%C3%B5es-se-r%C3%BAssia-invadir-ucr%C3%A2nia/a-60168342

Líderes da União Europeia (UE) reiteraram nesta quinta-feira (16/12) a ameaça de impor sanções coordenadas com o Reino Unido e os Estados Unidos se a Rússia invadir a Ucrânia, sinalizando "consequências maciças" para Moscou no caso de qualquer agressão militar.

Reunidos em Bruxelas, os chefes de Estado e de governo dos 27 países do bloco divulgaram uma declaração apelando para "a necessidade urgente de a Rússia desescalar tensões causadas pelo reforço militar ao longo de sua fronteira com a Ucrânia e retórica agressiva".

"Que não haja dúvida: se a Rússia investir contra a Ucrânia, a UE estará numa posição para adotar sanções que poderiam ter um custo maciço", afirmou a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen.

Os líderes europeus também prorrogaram por mais seis meses as sanções econômicas impostas à Rússia pela União Europeia em 2014 por causa da anexação da Crimeia.

Ao mesmo tempo, a UE deixou as portas abertas para conversas com Moscou. O novo chanceler federal alemão, Olaf Scholz, e o presidente da França, Emmanuel Macron, ressaltaram a importância do diálogo como caminho para soluções políticas.

Segundo fontes da Otan, a Rússia deslocou entre 75 mil e 100 mil soldados para sua fronteira com a Ucrânia. Teme-se que Moscou esteja planejando invadir a região de Donbass, no leste ucraniano, onde apoia separatistas pró-Rússia há anos. O governo russo nega ter qualquer intenção de atacar o país vizinho.

Otan também lança alerta

Nesta quinta-feira, o chefe da Otan, Jens Stoltenberg, afirmou que a Rússia está deslocando ainda mais tropas em direção à Ucrânia. Membros da aliança rejeitaram "as falsas alegações russas de provocações por parte da Ucrânia e da Otan" e exortaram Moscou a "desescalar imediatamente, seguir os canais diplomáticos e cumprir os seus compromissos internacionais".   

Uma invasão russa na Ucrânia?

Assim como a UE, com quem partilha a maioria dos seus Estados-membros, a Otan reiterou a ameaça de impor "consequências maciças" a Moscou através de sanções, coordenadas entre as potências europeias e Washington. Os EUA também usaram um tom semelhante, alertando para retaliação "maciça" no caso de uma invasão da Ucrânia.

Stoltenberg se reuniu como o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, nesta quinta, e ambos insistiram que qualquer decisão sobre uma adesão da Ucrânia à Otan é uma questão entre Kiev e a aliança militar.

Kiev e alguns de seus aliados no Ocidente querem cancelar a inauguração do polêmico gasoduto Nord Stream 2, que transportará gás russo para a Alemanha através da Ucrânia. Nesta quinta, o chanceler federal alemão afirmou que se trata de um projeto do setor privado e que um processo apolítico de aprovação está em curso. A UE vai assegurar que a integridade da Ucrânia não seja violada, disse.

Moscou pede garantias

Nesta sexta-feira, Moscou divulgou uma série de garantias de segurança que quer do Ocidente e pediu conversas urgentes com Washington. As propostas, que a Rússia diz serem vitais para garantir sua segurança, foram encaminhadas aos EUA.

Entre as garantias exigidas estão as promessas de que os EUA e a Otan abram mão de qualquer atividade militar e da construção de novas bases na Ucrânia e no Leste Europeu e de que a aliança militar, liderada pelos EUA, não seja expandida, noticiou a agência estatal russa RIA.

Ao mesmo tempo, o vice-ministro do Exterior russo, Serguei Ryabkov, foi citado por outra agência, a Interfax, afirmando que os EUA e a Otan até agora rejeitaram as propostas.

lf/ek (Reuters, DPA, AFP)