UE quer potencializar valor do fundo de estabilidade do euro | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 19.10.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

UE quer potencializar valor do fundo de estabilidade do euro

Um recurso técnico-financeiro deverá aumentar o impacto dos 440 bilhões de euros do fundo de estabilidade europeu. Este é um dos temas da cúpula da UE no fim de semana em Bruxelas. Na Grécia, protestos geram violência.

default

Os protestos contra o programa de contenção de gastos do governo grego culminaram em violência em Atenas, nesta quarta-feira (19/10). Manifestantes lançaram pedras e projéteis incendiários contra policiais, que, por sua vez, atacaram com gás lacrimogêneo a multidão reunida diante do parlamento. Aeroportos, transportes coletivos e balsas ficaram paralisados.

Uma guarita em frente ao palácio presidencial foi incendiada. Participantes dos protestos investiram com martelos e pés-de-cabra contra diversos edifícios, destruindo letreiros de bancos e quebrando vitrines. Por ocasião da greve nacional de dois dias, dezenas de milhares de pessoas se reuniram no centro da capital.

Griechenland Generalstreik Polizei und Demonstranten

Violência civil e policial em Atenas

Cúpulas decisivas

A crise da Grécia representa um sério desafio, que a União Europeia também pretende abordar neste fim de semana. O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Barroso, prometeu empenhar-se para que o encontro de cúpula programado para domingo proponha respostas concretas para a crise de endividamento no bloco.

"Nós nos encontramos num momento decisivo para o futuro do euro e da Europa", comentou o político português nesta quarta-feira, em Bruxelas. Ele insistiu que os líderes políticos do bloco apresentem uma "resposta forte" à situação, neste fim de semana.

Na sexta-feira, inicia-se na capital belga um debate de três dias sobre possíveis soluções para a crise de endividamento na zona do euro. As deliberações culminam em duas conferências de cúpula: uma reunindo os chefes de Estado e de governo da UE, e outra com representantes da zona do euro.

Berlim e Paris

A Alemanha e a França mantêm um papel de liderança na busca de soluções para a atual crise. Nos últimos dias, a chanceler federal alemã, Angela Merkel, e seu ministro das Finanças, Wolfgang Schäuble, alertaram contra expectativas exageradas em relação à cúpula.

Por sua vez, o presidente francês, Nicolas Sarkozy, falou em Paris de "desafios históricos" para a Europa. Sarkozy viajou a Frankfurt nesta quarta-feira conversar com Merkel sobre a cúpula.

Angela Merkel und Nicolas Sarkozy in Berlin

Merkel e Sarkozy se apresentam como paladinos do euro

Um dos pontos centrais da conferência de domingo é uma maior participação do banco no resgate da dívida grega, assim como injeções de capital para os institutos financeiros europeus em dificuldades. Além disso, se busca um modelo para fortalecer o poder financeiro do Fundo Europeu de Estabilidade Financeira (FEEF), sem que os países-membros tenham que se comprometer com mais bilhões de euros em garantias.

A Alemanha é a favor de que os bancos renunciem em grande parte a suas exigências em relação à Grécia. Está sendo estudado um abatimento das dívidas em até 50%, em vez dos 21% cogitados até então. Neste ponto, a França é mais cautelosa, já que a Grécia deve altas somas a bancos franceses.

"Modelo do seguro"

Outro tópico em discussão é como conferir maior impacto aos 440 bilhões de euros do FEEF, através de um recurso técnico-financeiro. Aqui, a França está disposta a arriscar mais do que a Alemanha. Um modelo repetidamente proposto é a assim chamada "solução do seguro". Segundo esta, o fundo de estabilidade incentivaria investidores a comprar títulos de dívida pública dos países que adotam o euro, assumindo, por sua vez, 20% a 30% do prejuízo, no caso de falência estatal.

Com base em fonte diplomáticas da UE, o jornal britânico The Guardian divulgou que o "modelo do seguro" conferiria ao FEEF um valor equivalente a 2 trilhões de euros. O alemão Financial Times Deutschland limitou-se a falar em 1 trilhão de euros.

Em meio às "intensas discussões" sobre o tema mencionadas pela porta-voz do Ministério das Finanças em Berlim, um ponto é pacífico: o valor de garantia assumida pela Alemanha não deve ultrapassar os 211 bilhões de euros estipulados. Segundo o comissário europeu para Assuntos Econômicos, Olli Rehn, a meta é aumentar a "eficácia e flexibilidade" do fundo de estabilidade. Também ele espera uma solução no decorrer das deliberações deste fim de semana em Bruxelas.

AV/afp/dapd
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados