1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Círculo de gás formado no Mar Báltico devido a vazamento registrado no gasoduto Nord Stream
Vazamento ocorreu próximo a uma ilha da DinamarcaFoto: 2022 Planet Labs PBC/handout/AFP

UE promete resposta robusta após vazamento em gasodutos

28 de setembro de 2022

União Europeia diz haver indícios de que escape de gás no mar foi causado por atos de sabotagem. Explosões foram detectadas por estações sísmicas na região de dutos. Danos na infraestrutura podem ser irreparáveis.

https://p.dw.com/p/4HSuj

O chefe da diplomacia da União Europeia, Josep Borrell, afirmou nesta quarta-feira (28/09) que as informações disponíveis até o momento indicam que os vazamentos registrados nos gasodutos Nord Stream no Mar Báltico foram causados por atos de sabotagem.

"Esses incidentes não são coincidência e afetam todos nós", disse Borrell em comunicado. No texto, ele advertiu ainda que "distúrbios deliberados" na infraestrutura europeia serão respondidos com uma reação robusta e conjunta do bloco.

Borrell destacou que a União Europeia está profundamente preocupada com os vazamentos nos gasodutos e disse que o bloco está apoiando qualquer investigação que vise esclarecer totalmente o que aconteceu, além de estar tomando outras medidas para aumentar a resiliência energética.

Desde domingo, autoridades dinamarquesas e suecas detectaram três vazamentos de gás nos dutos do Nord Stream 1 e Nord Stream 2 próximos a uma ilha da Dinamarca. Construídos pela Rússia, os dutos levam gás russo até a Alemanha. Embora nenhum dos dois esteja em operação, os gasodutos são mantidos cheios devido à pressão.

Operados por um consórcio, no qual a gigante russa Gazprom é majoritária, os gasodutos estão no centro das tensões geopolíticas dos últimos meses, que eclodiram com a invasão da Ucrânia pela Rússia. Até o ano passado, Moscou era o principal fornecedor de gás para a Europa, mas desde então vem cortando o envio em possível retaliação às sanções ocidentais aplicadas ao país devido à guerra.

Atos de sabotagem

Com a declaração, Borrell se junta a outros líderes europeus que sugerem que os vazamentos foram sabotagem, como a primeira-ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen. Segundo ela, os vazamentos foram "ações deliberadas" cometidas por criminosos desconhecidos.

O ministro da Economia da Alemanha, Robert Habeck, também reforçou as declarações de sabotagem e destacou que os vazamentos não ocorreram devido a eventos naturais ou desgaste de material. Habeck falou ainda em ataques à infraestrutura.

Pouco antes do início dos vazamentos, estações sísmicas na Dinamarca, Noruega e Finlândia registraram explosões perto dos gasodutos. Um instituto sísmico sueco disse que as explosões submarinas teriam sido provavelmente causadas por detonações.

O primeiro-ministro da Polônia, Mateusz Morawiecki, chegou a dizer que os vazamentos seriam "provavelmente o próximo estágio na escala" da guerra na Ucrânia, deixando a entender que a Rússia seria a autora dos supostos ataques.

Kremlin chama acusações de absurdo

Um dia após ter dito que não descartava a hipótese de sabotagem, o Kremlin criticou nesta quarta-feira as acusações e afirmou ser "estúpido e absurdo" suspeitar de um envolvimento russo no incidente. "Já era previsível" que "alguns" colocassem a Rússia em causa, declarou o porta-voz do governo russo, Dmitri Peskov.

O porta-voz ressaltou que os vazamentos são problemáticos para Moscou. Peskov fez um apeleo "a todos" para que reflitam antes de falar e pediu para que se aguardem os resultados das inspeções que vão determinar se os escapes de gás foram provocados por "uma explosão ou não".

"Esta situação exige diálogo e uma interação rápida entre todas as partes para se descobrir o que aconteceu. Até este momento, constatamos a ausência total de diálogo", afirmou. 

Danos irreparáveis

Na prática, os vazamentos diminuem a possibilidade de retomada das entregas de gás para a Europa ocidental via Nord Stream 1, que já tinham sido interrompidas em setembro por Moscou, que alega problemas técnicos e diz que não pode consertar as falhas devido às sanções internacionais. A União Europeia, no entanto, rebate essa alegação e acusa a Rússia de usar o gás "como uma arma".

Agências de segurança da Alemanha temem que os danos causados ao Nord Stream possam ser irreparáveis, tornando assim o gasoduto inutilizável, segundo revelou uma reportagem do jornal alemão Tagesspiegel nesta quarta-feira.

Segundo a reportagem, fontes de Berlim disseram que, se os dutos não forem consertados logo, grandes volumes de água salgada entrarão na infraestrutura, causando corrosão.

cn/ek (DW, Lusa, Reuters)

Pular a seção Mais sobre este assunto
Pular a seção Conteúdo relacionado