UE pretende facilitar processos de divórcio | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 25.03.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE pretende facilitar processos de divórcio

A União Europeia quer facilitar os processos de separação judicial de casais binacionais. No futuro, esses casais poderão escolher em que país e sob que critérios poderão se separar.

default

Alemanha tem maior número de divórcios de casais binacionais

Divórcios envolvendo mais de um país deverão ficar mais fáceis na União Europeia. Nesta quarta-feira (24/03), a Comissão Europeia aprovou projeto de lei segundo o qual, futuramente, os Estados-membros do bloco poderão estabelecer regras comuns relativas à competência judiciária para casos de divórcio.

A nova legislação se refere tanto a casais binacionais quanto aos de mesma nacionalidade, mas que não vivem em sua pátria. Tais separações têm sido regulamentadas de forma bastante diferenciada nos 27 países-membros do bloco europeu.

Com a nova lei, os cônjuges poderão escolher em que país e segundo qual legislação querem se separar. Caso não haja consenso, o país será escolhido segundo regras pré-estabelecidas.

O novo projeto de lei não interfere, todavia, em legislações nacionais de divórcio, como é o caso da católica Ilha de Malta, onde separações judiciais não são permitidas.

Proteger o mais fraco

Segundo a comissária europeia de Justiça, Viviane Reding, que apresentou o projeto de lei em Bruxelas, até o momento, a falta de regras comuns levou a desvantagens para algumas partes.

A nova legislação deverá evitar que a competência judiciária se norteie pelo cônjuge que primeiro entrar com o pedido de divórcio. "Temos que proteger o cônjuge mais fraco de desvantagens injustas. No momento, o parceiro com mais condições de pagar a viagem e os altos honorários do advogado corre para o tribunal onde ele ou ela possa tirar a maior vantagem", disse Reding.

A comissária informou também que, anualmente, 300 mil casamentos, como também 140 mil divórcios, são realizados na União Europeia entre pessoas de diferentes nacionalidades. Para esses casais, a insegurança relativa à competência judiciária seria mais um problema a acompanhar um eventual divórcio, além dos altos custos das separações, acrescentou.

Nova tentativa

Symbolbild Ehescheidungen in Europa

Casais poderão escolher condições para divórico

Esta é a segunda vez que a Comissão Europeia tenta fazer avanços com vista a uma legislação comum para casos de divórcios transnacionais. A primeira iniciativa, em 2006, falhou devido à resistência da Suécia. O governo em Estocolmo temia que as novas regras pudessem, em determinadas situações, privar cidadãos suecos de gozar de sua legislação liberal de divórcio.

A atual iniciativa é apoiada por 11 Estados-membros da UE, inclusive a Alemanha, país europeu com maior número de divórcios de casais binacionais, segundo dados de 2007.

Um porta-voz do Ministério alemão da Justiça declarou ao jornal Frankfurter Rundschau nesta quinta-feira que as regras apresentadas em Bruxelas também deverão valer na Alemanha. Até agora, ela não estava entre os países que apoiavam a lei para simplificação dos divórcios binacionais.

A Áustria, a Bulgária, Eslováquia, Espanha, França, Grécia, Hungria, Itália, Luxemburgo e Romênia pretendem recorrer a uma diretriz europeia de 1997 que permite a um subgrupo de países-membros da UE desenvolver um sistema de "cooperação reforçada", harmonizando suas leis de divórcio e formando um pacto próprio. Nesta quarta-feira, a Alemanha aderiu ao grupo.

"Cooperação reforçada"

A Comissão Europeia está otimista quanto à adesão de outros países-membros. "O número de Estados-membros participando deverá estar mais perto de 20 do que de dez", disse Reding.

O projeto de lei terá ainda de ser aprovado pelo Parlamento Europeu. Caso o grupo de países venha realmente a estabelecer padrões próprios, sem que todos os demais Estados-membros participem, esta seria a primeira vez que a UE utilizaria o instrumento da "cooperação reforçada".

CA/dpa/dw/kna
Revisão: Augusto Valente

Leia mais