UE prepara operação militar no Mediterrâneo | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 18.05.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE prepara operação militar no Mediterrâneo

Missão sem precedentes prevê envio de navios e aviões de guerra à costa líbia. Traficantes de pessoas serão monitorados, e suas embarcações, destruídas. Aprovação do Conselho de Segurança da ONU é necessária.

Ministros europeus de Defesa e do Exterior se reúnem nesta segunda-feira (18/05) em Bruxelas para finalizar os detalhes da operação militar para combater o tráfico de imigrantes no Mar Mediterrâneo.

A ambiciosa missão da União Europeia terá início já em junho e prevê o envio de navios de guerras e aviões para a costa da Líbia, ponto de partida da grande maioria dos navios abarrotados de refugiados.

Segundo autoridades europeias, a operação militar terá várias fases. No início, serão utilizados todos os instrumentos disponíveis, como satélites de reconhecimento para identificar as atividades dos contrabandistas na Líbia. Em seguida, para evitar o transporte de imigrantes, os navios serão confiscados e destruídos.

Antes da reunião, a ministra alemã de Defesa, Ursula von der Leyen, afirmou que a maior prioridade é "o resgate de imigrantes em perigo no mar". Ela frisou que espera progresso significativos para resolver o problema após o encontro.

Entretanto, a UE depende da autorização do Conselho de Segurança da ONU para poder por em prática a missão militar contra os traficantes de pessoas. Segundo o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, a organização está pronta para ajudar.

Stoltenberg alertou também que combatentes do grupo terrorista "Estado Islâmico" (EI) podem se esconder entre os migrantes para chegar à Europa.

A operação se chamará UE Navfor Med e terá sede em Roma. Segundo a agência de notícias AFP, o líder deve ser o contra-almirante italiano Enrico Credendino. Vários países europeus, como Espanha, Alemanha, França, Itália e Reino Unido, prometeram enviar navios de guerra para o programa.

A operação faz parte de um programa mais amplo da UE para combater o tráfico de migrantes, anunciado na semana passada pelo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

A medida prevê ainda cotas obrigatórias de distribuição de refugiados entre os 28 países-membros do bloco. A proposta provocou protestos em países como Polônia, Hungria e República Checa. O Reino Unido e a Espanha rejeitam as cotas.

Nos últimos 18 meses, mais de 5 mil migrantes morreram ao tentar chegar à Europa através do Mediterrâneo. A maioria deles fugia da violência na Síria.

CN/afp/dpa/epd/rtr

Leia mais