UE espera que desarmamento nuclear avance após novo acordo entre EUA e Rússia | Notícias internacionais e análises | DW | 27.03.2010
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

UE espera que desarmamento nuclear avance após novo acordo entre EUA e Rússia

Líderes europeus chamaram de histórico o tratado entre Obama e Medvedev e esperam que ele impusione o desarmamento mundial. Novo acordo prevê redução de um terço das ogivas nucleares dos dois países.

default

Obama durante o anúncio do tratado acertado com a Rússia

O tratado de redução de armas nucleares acertado entre os Estados Unidos e a Rússia foi bem recebido na Europa. O ministro alemão do Exterior, Guido Westerwelle, disse que se trata de um "marco histórico para fazer avançar o desarmamento nuclear".

Ele disse esperar "um sinal forte não apenas para a conferência de revisão do Tratado sobre Não-Proliferação de Armas Nucleares, no início de maio, mas também para os esforços internacionais de desarmamento em outros setores."

O ministro do Exterior do Reino Unido, David Miliband, também qualificou o acordo como histórico e disse que ele abrirá caminho para novas reduções. " Logo que seja útil, o Reino Unido está pronto para incluir o seu arsenal num futuro processo de desarmamento multilateral."

Também os presidentes da França, Nicolas Sarkozy, e da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, destacaram a importância histórica do acerto finalizado nesta sexta-feira (26/03) pelos presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, e da Rússia, Dimitri Medvedev por meio de um telefonema.

Redução de ogivas e lançadores

START I Abkommen 1991

Bush e Gorbatchov durante a assinatura do Start-1

Os dois presidentes se comprometeram em reduzir o número de ogivas nucleares de 2.200 para 1.500 para ambos os lados, uma redução de 30% em relação ao limite estipulado pelo Tratado de Moscou em 2002, destacou comunicado da Casa Branca.

O número de lançadores – como mísseis intercontinentais e submarinos – será limitado em 800, a metade do atual.

O novo tratado será assinado no próximo dia 8 de abril em Praga, na República Tcheca, e terá validade de dez anos. Ele substituirá o Start-1, de 1991, que expirou em 5 de dezembro de 2009 e foi assinado pelos presidente George Bush, dos EUA, e Mikhail Gorbatchov, da extinta União Soviética.

Parlamentos precisam ratificar acordo

Obama disse que o acordo é o mais amplo das duas últimas décadas entre os dois países. "As armas nucleares representam os dias mais negros da Guerra Fria e a maior ameaça da nossa época", declarou.

O Kremlin também destacou a importância do documento. A porta-voz Natália Timakova disse que ele reflete o equilíbrio de interesses de ambos os lados.

Após as assinaturas dos dois presidentes, os parlamentos em Moscou e Washington ainda precisam ratificar o tratado para que ele entre em vigor.

Em 1991, quando o Start-1 foi assinado, a União Soviética tinha 10.271 ogivas nucleares e os Estados Unidos 10.563. Com o cumprimento do tratado, a Rússia ficou com 5.518 ogivas e os EUA com 5.948.

AS/dpa/rtr/lusa

Revisão: Nádia Pontes

Leia mais