UE adota controle estrito sobre exportação de vacinas | Notícias internacionais e análises | DW | 29.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Pandemia

UE adota controle estrito sobre exportação de vacinas

Em queda de braço com a AstraZeneca, bloco quer registrar cada dose que deixar seu território e evitar mais demora na campanha de vacinação.

Fábrica da AstraZeneca no norte da França

Fábrica da AstraZeneca no norte da França

A União Europeia estabeleceu, nesta sexta-feira (29/01), um mecanismo que lhe permitirá controlar – e na prática bloquear –  a exportação de vacinas para covid-19 produzidas em seu território.

A decisão é tomada em meio à queda de braço entre o bloco europeu e a gigante farmacêutica britânico-sueca AstraZeneca, que desenvolveu sua vacina contra a covid-19 em parceria com a Universidade de Oxford.

As autoridades europeias acusam a empresa, com quem firmaram um contrato, de não entregar as doses prometidas, ao mesmo tempo que cumpre seus prazos selados com o Reino Unido.

"Pagamos a essas empresas para aumentar a produção e agora esperamos que elas cumpram", disse o comissário europeu do Comércio, Valdis Dombrovskis. "A medida de hoje foi adotada com a máxima urgência. O objetivo é nos fornecer imediatamente total transparência. E, se necessário, também ferramenta para garantir a entrega de vacinas."

Com o programa de vacinação avançando a passos lentos no bloco, as autoridades europeias enfrentam crescente pressão. O motivo da lentidão é, segundo os líderes políticos, a demora na entrega das vacinas.

Vacinação lenta e atrasos na entrega

Na Alemanha, apenas 1,8 milhão de pessoas haviam recebido ao menos uma dose da vacina até o início desta sexta-feira, o equivalente a pouco menos de 2,2% da população. No Reino Unido, cerca de 7 milhões receberam a primeira vacina, e o governo espera atingir a meta de 15 milhões em duas semanas.

A Comissão Europeia - em nome dos Estados-membros - negociou contratos com várias empresas farmacêuticas para a entrega de doses sob acordos de intenção de compra: se uma vacina se mostrar segura e eficaz, as empresas se comprometeram a entregar um certo número de doses. Em alguns casos, a comissão chegou a investir dinheiro no desenvolvimento e produção dessas vacinas, como no caso da AstraZeneca.

Mas o grupo farmacêutico anunciou que espera entregar apenas 31 milhões de doses, em vez de 80 milhões, até o final de março.

Nesta sexta, a empresa afirmou que poderia oferecer mais 8 milhões de doses para a UE, e o bloco respondeu que a oferta ainda era inferior à quantidade prometida. 

Devassa nas vendas da AstraZeneca

Nesta sexta, Dombrovskis explicou que as empresas que declararem novas vendas a outros países terão que fornecer informações detalhadas, sobre destino e quantidade das exportações, durante os últimos três meses.

Isso possivelmente revelará se a AstraZeneca enviou ou não de fato - como acusa a UE - vacinas para o Reino Unido de uma de suas duas fábricas de vacinas na Europa. A versão da empresa é que as fábricas foram atingidas por falhas de produção.

Os controles sobre as exportações devem entrar em vigor neste sábado.

A vacina produzida pela AstraZeneca, conhecida como a "vacina de Oxford", foi aprovada nesta sexta pela Agência Europeia de Medicamentos (EMA), órgão da União Europeia que avalia pedidos de registro de medicamentos e vacinas.

A Comissão Europeia deve agora conceder a aprovação formal para a vacina, o que fará do imunizante de AstraZeneca-Oxford o terceiro certificado pelo bloco, ao lado das vacinas criadas pela Pfizer-Biontech e pela Moderna.

Aposta do Brasil

Há também muita expectativa em relação à vacina de AstraZeneca-Oxford no Brasil. O governo federal fechou um acordo em julho do ano passado com os produtores, tornando a Fundação Osvaldo Cruz (Fiocruz) parceira no preparo e produção do imunizante no país.

O acordo envolve a entrega de 100,4 milhões de doses até o meio do ano, preparadas e envasadas pela Fiocruz partir do ingrediente farmacêutico ativo (IFA) importado, feito por uma empresa parceira da AstraZeneca na China. O contrato também transfere a tecnologia de produção do IFA ao Brasil para que, no segundo semestre, a Fiocruz produza mais 100 milhões de doses.

rpr/lf (afp,dpa,ots)