Tzipi Livni garante abertura de fronteiras para ajuda humanitária | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 22.01.2009
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Tzipi Livni garante abertura de fronteiras para ajuda humanitária

Em reunião com os ministros europeus das Relações Exteriores, ministra isralense Tzipi Livni garante que a ajuda humanitária chegará à Faixa de Gaza, mas recusa abertura total das fronteiras devido ao tráfico de armas.

default

Livni em Bruxelas: Israel não cometeu crimes de guerra na Faixa de Gaza

A ministra das Relações Exteriores de Israel, Tzipi Livni, anunciou em Bruxelas que o seu país abrirá as fronteiras com a Faixa de Gaza para permitir o transporte de ajuda humanitária. Livni se reuniu na noite desta quarta-feira (21/01) com os ministros das Relações Exteriores da União Europeia.

"Em resposta às necessidades humanitárias na Faixa de Gaza, estamos dispostos a cooperar no que for possível", declarou, adiantando que Israel vai colaborar com as organizações internacionais de ajuda humanitária.

O chefe da diplomacia europeia, Javier Solana, disse estar satisfeito com o anúncio da ministra. "Espero que se torne realidade amanhã [esta quinta-feira]", afirmou Solana. A abertura total das fronteiras, que havia sido solicitado pela União Europeia, foi rechaçada por Israel.

Livni disse que isso só será possível quando o tráfico de armas para a Faixa de Gaza estiver sob controle. Ela lembrou que negociações nesse sentido estão sendo conduzidas com o Egito e os Estados Unidos. "O direito de autodefesa de Israel não significa apenas se proteger de foguetes, mas estende-se também ao contrabando de armas."

Ajuda europeia

Durante o encontro com Livni, os ministros europeus voltaram a oferecer ajuda para combater o tráfico de armamento para a Faixa de Gaza, como já havia sido exposto anteriormente pelo ministro alemão das Relações Exteriores, Frank-Walter Steinmeier.

A União Europeia pretende também iniciar o quanto antes a ajuda humanitária para a Faixa de Gaza. "Temos de fazer com que a população seja provida daquilo que é de necessidade vital", afirmou Steinmeier.

O ministro destacou, porém, que o auxílio europeu não deve se resumir à ajuda humanitária e à reconstrução. Ao final, deve conduzir a um processo político que leve a conversações entre Israel e líderes palestinos.

Crimes de guerra

Livni rechaçou ainda as acusações de que o Exército israelense teria cometido crimes de guerra durante as três semanas em que esteve em ação na Faixa de Gaza. "O Exército israelense respeita o direito internacional. Compartilhamos os mesmos valores com a comunidade internacional e a Europa e os respeitamos."

A ministra garantiu que Israel tentou evitar a morte de civis durante o conflito. "Há uma diferença entre um assassino e alguém que mata uma pessoa sem querer", finalizou Livni.

Leia mais