Twitter diz que políticos não estão acima de regras da plataforma | Notícias internacionais e análises | DW | 16.10.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Tecnologia

Twitter diz que políticos não estão acima de regras da plataforma

Empresa anuncia que removerá mensagens de líderes mundiais que violarem suas normas e adotará medidas contra tuítes ofensivos. "Estamos operando numa cultura política cada vez mais complexa e polarizada", diz plataforma.

Símbolo do Twitter

Twitter diz que pretende aplicar regras de "forma criteriosa e imparcial"

A rede social Twitter anunciou nesta terça-feira (15/10) que pode remover mensagens de políticos que violarem suas regras e destacou que líderes mundiais não estão isentos do regulamento da plataforma.

"Queremos deixar claro que as contas de líderes mundiais não estão acima de nossas políticas", afirmou o Twitter. Em um comunicado, a plataforma destacou que se reserva o direito de tomar "medidas coercivas" contra tuítes ofensivos, sobretudo aqueles que incluam ameaças de violência ou divulguem informações privadas.

O anúncio foi feito num momento em que as redes sociais, principalmente o Facebook, enfrentam pressões por permitir divulgação de informações falsas e enganosas feitas por líderes políticos em todo o mundo.

Tanto o Facebook quanto o Twitter haviam declarado anteriormente que não removeriam comentários de lideranças mundiais "dignos de notícia". O Facebook isentou ainda anúncios políticos de seu sistema de verificação de fatos.

Agora, o Twitter afirmou que sua política não deixa as rédeas soltas para publicações de líderes mundiais. A plataforma anunciou ainda que tomará medidas contra a "promoção do terrorismo" e "ameaças de violência claras e diretas", além de mensagens que divulgarem informações como endereço ou telefone de terceiros.

A plataforma também se comprometeu a atuar quando houver divulgação de fotografias ou vídeos íntimos sem consentimentos e publicações relacionadas à exploração sexual infantil e à promoção da automutilação.

O Twitter destacou que não estava mudando suas regras de conduta. No entanto, a declaração atual contraria o anúncio feito pela plataforma em junho, na qual afirmou que tuítes de líderes mundiais que violassem as normas da empresa mas tivessem "interesse público" não seriam apagados.

"Nosso objetivo é aplicar nossas regras de forma criteriosa e imparcial. Com eleições críticas e mudanças na dinâmica política no mundo, reconhecemos que estamos operando numa cultura política cada vez mais complexa e polarizada", afirmou a plataforma, prometendo reavaliar suas políticas constantemente.

O Twitter é um dos canais de comunicação preferidos de alguns líderes mundiais, como o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e o mandatário brasileiro, Jair Bolsonaro. Ambos muitas vezes utilizam suas contas para promover ataques a adversários políticos ou a jornalistas.

CN/afp/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais