Trump diz que considera ″opção militar″ contra Venezuela | Notícias internacionais e análises | DW | 11.08.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Trump diz que considera "opção militar" contra Venezuela

Presidente americano afirma que país vive uma "bagunça muito perigosa" e que ação militar é uma das opções para crise. Pentágono diz que não recebeu ordens para agir.

default

Trump: "Venezuela é uma bagunça"

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou nesta sexta-feira (11/08) que não descarta uma "opção militar" como resposta à crise na Venezuela.

Em seu clube de golfe de Bedminster, em Nova Jersey, Trump disse que o país vive uma "bagunça muito perigosa".

"Nós temos muitas opções para a Venezuela, incluindo uma possível opção militar se necessário", disse a repórteres. "Temos tropas em todo o mundo em lugares muito distantes. A Venezuela não é muito distante e as pessoas estão sofrendo e morrendo."

A crise na Venezuela foi discutida por Trump numa reunião com o secretário de Estado americano, Rex Tillerson, e embaixadora dos EUA na ONU, Nikki Haley. "A Venezuela é uma bagunça. É uma bagunça muito perigosa e uma situação muito ruim", declarou o presidente.

A afirmação foi feita dois dias depois de os EUA imporem sanções a mais oito funcionários venezuelanos, a maioria membro da Assembleia Nacional Constituinte (ANC) venezuelana, por contribuírem com a erosão da ordem democrática no país. Entre eles, está o irmão do ex-presidente venezuelano Hugo Chávez, morto em 2013.

O Pentágono informou que as Forças Armadas não receberam nenhum pedido oficial da Casa Branca para intervirem militarmente na Venezuela. "O Pentágono não recebeu nenhuma ordem", disse o porta-voz Eric Pahon.

Mais de 120 pessoas foram mortas em protestos contra o regime do presidente Nicolás Maduro desde abril. Nesta quinta, Maduro declarou que está subordinado à ANC. A Constituinte tem poderes para destituir e nomear qualquer autoridade do Estado venezuelano, ditar e reformar leis, e implementar decisões sem a necessidade de passar por nenhum outro poder.

A Assembleia formada por 500 constituintes chavistas escolhidos em eleições controversas foi rejeitada pela oposição venezuelana e não foi reconhecida por boa parte da comunidade internacional. 

KG/efe/afp

Leia mais