Trump cancela visita após Dinamarca rechaçar venda da Groenlândia | Notícias internacionais e análises | DW | 21.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Diplomacia

Trump cancela visita após Dinamarca rechaçar venda da Groenlândia

Após cancelar viagem marcada para o país europeu, presidente americano critica primeira-ministra dinamarquesa por afirmar que seria "absurdo" cogitar vender o território ártico para os EUA. E dá lição de boas maneiras.

Presidente dos EUA, Donald Trump, surpreendeu a Dinamarca ao cancelar visita de Estado ao país

Presidente dos EUA, Donald Trump, surpreendeu a Dinamarca ao cancelar visita de Estado ao país

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, surpreendeu o governo da Dinamarca ao cancelar nesta terça-feira (20/08) uma visita de Estado ao país, após a primeira-ministra dinamarquesa, Mette Frederiksen, qualificar de "absurda" a intenção expressa pelo americano de comprar a Groenlândia.

Em seguida, falando a jornalistas na Casa Branca, antes de partir para um evento em Kentucky, o magnata imobiliário mostrou-se ofendido com a reação de Frederiksen: "Eu achei que a declaração da primeira-ministra foi... nasty [desagradável, maldosa]. Foi uma declaração inapropriada."

Não contente, Trump considerou-se apto a dar uma lição de educação e diplomacia à política dinamarquesa: em vez de chamar a ideia de "absurda", a chefe de governo deveria ter simplesmente dito que seu país não estava interessando numa venda.

Antes, Frederiksen lamentara o cancelamento da visita oficial, dizendo ter recebido a notícia com "pesar e surpresa". Os dias 2 e 3 de setembro teriam sido "uma oportunidade para celebrar a estreita relação da Dinamarca com os EUA, que permanece sendo um dos aliados mais próximos", comentou à imprensa em Copenhague.

A Dinamarca é membro da Otan. Os desdobramentos "no Ártico exigem maior cooperação entre os EUA, Groenlândia, as Ilhas Faroé e a Dinamarca". "Nosso convite para uma cooperação mais forte no Ártico continua de pé", enfatizou a social-democrata

A proposta de Trump de comprar a Groenlândia fora inicialmente recebida com uma mistura de incredulidade e escárnio pelos políticos dinamarqueses, com o ex-primeiro-ministro Lars Lokke Rasmussen chegando a dizer que devia "ser alguma piada de 1º de abril". Outros ficaram ofendidos com as intenções do americano. Mas o cancelamento da visita pegou muitos de surpresa.

"A Dinamarca é um país muito especial, com pessoas incríveis, mas com base nos comentários da primeira-ministra Mette Frederiksen, de que ela não teria interesse em discutir a venda da Groenlândia, eu decidi adiar nosso encontro, marcado para daqui a duas semanas, para outra data", disse Trump através do Twitter.

"Ao ser tão direta, a primeira-ministra conseguiu economizar enormes gastos e esforços, tanto para os Estados Unidos quanto para a Dinamarca", disse Trump. "Lhe agradeço por isso e anseio por remarcar [a visita oficial] para alguma data no futuro", completou.

Líderes políticos do país reagiram com choque e perplexidade. Martin Lindegaard, ex-ministro dinamarquês do Exterior, disse que o comportamento do americano é "grotesco", e chamou o episódio de uma "farsa diplomática". A ex-primeira-ministra Helle Thorning-Schmidt disse que, com o cancelamento, Trump "insulta profundamente o povo da Groenlândia e da Dinamarca".

Kristian Jensen, também ex-ministro do Exterior, disse se tratar de um "caos total", e que a situação se transformou "de uma grande oportunidade para reforçar o diálogo entre aliados em uma crise diplomática". "Todos devem saber que a Groenlândia não está á venda", ressaltou.

Na última segunda-feira, Frederiksen reagiu de forma categórica às declarações de Trump sobre a compra do território autônomo. "A Groenlândia não está à venda. A Groenlândia não é dinamarquesa, é groenlandesa. Espero, de verdade, que não tenha sido algo dito com seriedade", disse Frederiksen, durante visita à Groenlândia. "É uma discussão absurda e Kim Kielsen (premiê groenlandês) deixou claro que não está à venda. E aí termina a discussão", afirmou Frederiksen.

Trump e a primeira-dama americana, Melania, haviam sido formalmente convidados a visitar o país pela rainha Margrethe, em julho. Uma porta-voz disse que a família real recebeu com surpresa o cancelamento, mas, muitos no país veem a atitude do americano como uma ofensa à rainha.

A Groenlândia tem 2,2 milhões de quilômetros quadrados, dos quais 1,7 milhão estão sob uma cobertura de gelo, abaixo da qual estão recursos naturais como carvão e urânio. Mas, apesar de suas riquezas potenciais, a ilha é altamente dependente da Dinamarca, que arca com dois terços de seu orçamento. A população local também sofre com o desemprego e altas taxas de suicídio.

Os americanos mantêm interesse estratégico na região desde a Segunda Guerra Mundial, quando os montaram várias instalações militares na ilha. Um tratado de defesa, de 1951, entre a Dinamarca e os EUA, permite aos americanos manterem no norte da ilha a Base Aérea de Thule, onde os militares operam um sofisticado sistema de detecção de disparos de mísseis contra o território americano.

Os Estados Unidos já tentaram no passado comprar a Groenlândia, a última vez em 1946, quando Harry Truman era presidente.

A Groenlândia possui desde 1979 um estatuto de autonomia, ampliado 30 anos depois – com o apoio em massa em referendo consultivo dos groenlandeses – até incluir todas as competências, salvo defesa, política externa e monetária, entre outras; além do direito de autodeterminação.

RC/rtr/ap

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | App | Instagram | Newsletter

Leia mais