Trump cancela participação em premiação | Notícias internacionais e análises | DW | 19.08.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Trump cancela participação em premiação

Presidente dos EUA e primeira-dama não vão à cerimônia no Kennedy Center em dezembro. Anúncio ocorre após vários homenageados dizerem que boicotariam recepção na Casa Branca, também cancelada.

Presidente dos EUA, Donald Trump

Trump: segundo comunicado, presidente quer "permitir que os homenageados celebrem sem nenhuma distração política"

O presidente dos EUA, Donald Trump e a primeira-dama, Melania Trump, comunicaram que não vão comparecer à cerimônia por ocasião da premiação anual que acontece no Kennedy Center em dezembro, anunciou neste sábado (19/08) a Casa Branca. O anúncio veio depois de vários homenageados terem dito que boicotarão uma recepção em homenagem a eles na Casa Branca, que ocorre tradicionalmente antes do evento.

O Kennedy Center também informou que a recepção na Casa Branca "não irá mais acontecer".

Em comunicado, a porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, anunciou a decisão do casal presidencial. "O presidente e a primeira dama decidiram não participar das atividades deste ano para permitir que os homenageados celebrem sem nenhuma distração política", diz a nota.

Todos os anos, o Kennedy Center homenageia artistas de várias disciplinas por sua influência e legado, em uma cerimônia que costuma contar com a presença do presidente dos EUA e sua mulher.

Este ano, entre os premiados estão a bailarina e coreógrafa Carmen de Lavallad; a cantora e compositora de origem cubana Gloria Estefan; o rapper e ator LL Cool J; o escritor e produtor de televisão Norman Lear, e o músico e produtor musical Lionel Richie.

Lear e De Lavallade já tinham comunicado que não participariam da recepção na Casa Branca, em protesto contra a política de Trump. Richie deixou sua participação em aberto, e Estefan ressaltou que aproveitaria a recepção – agora cancelada – para expor sua opinião ao presidente.

Os presidentes do Kennedy Center, David M. Rubenstein e Deborah F. Rutter, disseram respeitar a decisão dos Trump e que estão "agradecidos por este gesto", acrescentando, por meio de comunicado, que "a administração assinalou graciosamente seu respeito pelo Kennedy Center, assegurando que a cerimônia de gala permaneça um momento merecidamente especial para os homenageados".

O anúncio ocorreu depois de uma semana de instabilidade política na Casa Blanca, após os episódios de violência racial ocorridos em Charlottesville (Virginia) no sábado passado. Trump foi duramente criticado por políticos, tanto democratas como republicanos, por sua resposta à violência em ato supremacista branco, que causou uma vítima mortal naquela localidade.

MD/efe/dpa/afp

Leia mais