Trump ataca política de refugiados de Merkel | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 02.03.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Trump ataca política de refugiados de Merkel

Fortalecido pela vitória na Superterça, dia-chave nas primárias americanas, pré-candidato republicano volta a criticar a Europa por acolhimento de migrantes e profetiza "terrorismo islâmico radical" na Alemanha.

Após obter a vitória em sete estados na Superterça das prévias americanas e abrir grande vantagem para garantir a candidatura republicana à Casa Branca, o magnata Donald Trump voltou a atacar a política europeia de refugiados.

"Olhem para a Alemanha e Suécia, olhem para esses lugares. É um desastre", disse Trump, na madrugada desta quarta-feira (02/03).

Segundo ele, por causa de tantos refugiados de países muçulmanos a Alemanha estaria ameaçada de sofrer com o "terrorismo radical islâmico".

"Não deixaremos entrar em nosso país pessoas que não sabemos quem são", reiterou Trump em seu discurso de vitória. "Eles são jovens e fortes – porque eles não retornam e lutam por seus países?"

Durante sua campanha eleitoral, Trump defendeu repetidamente a proibição da entrada de muçulmanos nos EUA, algo que provocou indignação.

Quando a chanceler federal alemã, Angela Merkel, foi eleita a personalidade do ano pela revista americana Time, Trump previu que a Alemanha seria um "desastre completo" devido aos refugiados. Segundo ele, a chanceler alemã causou "enormes danos" ao seu país.

Sem mencionar o pré-candidato republicano, o ministro do Exterior da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, advertiu para uma "política do medo" na campanha eleitoral dos EUA, durante visita a Washington, na terça-feira.

"Construir muros é uma ideia muito ruim, não importa quem pagar pela construção", disse, referindo-se ao plano de Trump de inviabilizar a imigração ilegal ao longo da fronteira entre EUA e México e fazer o país vizinho pagar pela construção do muro.

No caso de Trump ser eleito presidente dos EUA, o coordenador do governo federal alemão para a cooperação transatlântica, Jürgen Hardt, prevê que "Europa e Alemanha enfrentarão um grande desafio".

Em entrevista à DW, Hardt afirmou que o magnata não poderá agir simplesmente de maneira unilateral, sem consideração perante outros países.

"No século 21 isso já não é mais possível", disse. Para ele, não há alternativa, senão uma cooperação estreita entre EUA, Alemanha e a Europa como um todo perante as crises internacionais na Ucrânia e no Oriente Médio.

Para as próximas primárias, Hardt espera que Trump "se afaste mais de sua retórica radical e se preocupe com o núcleo da sociedade civil".

PV/afp/dw

Leia mais