Trump afirma que ações de Pyongyang são ″perigosas″ | Notícias internacionais e análises | DW | 03.09.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Trump afirma que ações de Pyongyang são "perigosas"

Após teste nuclear conduzido pelo regime comunista, presidente dos EUA também critica postura apaziguadora de vizinhos sul-coreanos.

USA Washington - Donald Trump im Oval Office (Getty Images/AFP/N. Kamm)

Trump disse que Coreia do Norte se tornou "uma grande ameaça"

O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou neste domingo (03/09) que as ações da Coreia do Norte "são muito hostis e perigosas". A declaração ocorreu horas depois de Pyongyang ter realizado seu sexto teste nuclear, que foi propagandeado pelo regime como a detonação bem-sucedida de uma bomba de hidrogênio.

Além de confirmar que o norte-coreanos realizaram "um grande teste nuclear", Trump disse que o país é "desonesto" e se tornou "uma grande ameaça". Ele também criticou a China, afirmando que as ações de Pequim na crise não tem tido "sucesso".

Além de admitir que o governo do ditador Kim Jong-un realizou um ensaio de nuclear de peso, Trump advertiu no Twiiter que "suas palavras e suas ações seguem sendo muitos hostis e perigosas para os EUA". Segundo Trump, a Coreia do Norte se "tornou uma grande ameaça e motivo de embaraço para a China, que "está tentando ajudar, mas sem sucesso".

Nas declarações de Trump, também sobraram críticas para os sul-coreanos. "A Coreia do Sul está descobrindo, como eu já havia dito, que a conversa de apaziguamento com a Coreia do Norte não vai funcionar. Eles só entendem uma coisa!"

Trump deve se reunir ainda neste domingo com o Conselho de Segurança Nacional dos EUA. Seu governo ainda deve preparar um novo pacote de sanções contra o regime do ditador Kim-Jong-un. No Twitter, ele demonstrou que pretende ser duro. “Os EUA estão considerando, paralelamente a outras opções, de parar o comércio com qualquer país que fizer negócios com a Coreia do Norte”, disse. 

Reações

Outros líderes também fizeram declarações sobre o teste norte-coreano. O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, disse que o novo teste foi "uma ameaça de segurança séria e imediata" que "aumenta ainda mais o perigo do regime" e "compromete seriamente a paz e a segurança no país".

Já a China condenou "energicamente" o novo teste nuclear, segundo um comunicado do ministério de Assuntos Exteriores do país. O presidente sul-coreano, Moon Jae-in, disse que Seul "nunca permitirá que a Coreia do Norte continue avançando com suas tecnologias nucleares e de mísseis". Moon também pediu que sejam impostas mais sanções pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas para aumentar o isolamento do regime norte-coreano.

O presidente francês, Emmanuel Macron, também pediu que o Conselho de Segurança da ONU reaja. "A comunidade internacional deve tratar esta nova provocação com a maior firmeza, para que a Coreia do Norte volte incondicionalmente ao caminho do diálogo e proceda ao desmantelamento completo, verificável e irreversível de seu programa nuclear e balístico", disse em comunicado.

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) também criticou o teste, que foi classificado como "um desrespeito completo às demandas repetidas da comunidade internacional".

JPS/rtr

Leia mais