Trump abandona reunião com democratas | Notícias internacionais e análises | DW | 09.01.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Estados Unidos

Trump abandona reunião com democratas

Negociação visava solucionar impasse que paralisou máquina estatal. Presidente diz que reunião foi "perda total de tempo" e destaca que, sem muro na fronteira com o México, não haverá acordo.

Donald Trump

Após recusa de verba para muro, Trump deixou negociação e declarou que nada mais funciona

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, abandonou nesta quarta-feira (09/01) uma reunião com os líderes democratas no Congresso, visando solucionar o impasse que causou a paralisação parcial do Estado, que já dura 19 dias e é a segunda mais longa da história.

Ao deixar a reunião com Nancy Pelosi e Chuck Schumer, Trump afirmou que o encontro foi "perda total de tempo" e reiterou que não haverá acordo sem que o financiamento da construção do muro na fronteira com o México esteja no orçamento.

"Acabo de sair da reunião com Chuck e Nancy, uma perda total de tempo", afirmou o presidente americano no Twitter, enquanto a oposição reclamava que Trump terminara o encontro abruptamente.

"Perguntei o que iria ocorrer em 30 dias se eu rapidamente desbloqueasse a situação, eles aprovariam a segurança na fronteira que inclui um muro ou uma barreira de aço: Nancy disse 'NÃO'. Eu disse 'tchau-tchau', nada mais funciona!", acrescentou Trump.

Em declarações a jornalistas que aguardavam o término do encontro, o líder da minoria democrata no Senado, Chuck Schumer, criticou o comportamento de Trump. "Infelizmente, o presidente se levantou e foi embora", disse.

Segundo Schumer, Trump afirmou que não havia nada mais para discutir depois de a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, ter negado aprovar o financiamento para as obras do muro.

Assistir ao vídeo 02:09

Com orçamento travado, Trump apela na TV por aprovação de verba para muro na fronteira

"Novamente vimos um ataque de raiva porque não foi de seu jeito. Isso é triste e lamentável. Queremos um acordo. Acreditamos na segurança das fronteiras, mas temos visões diferentes", ressaltou Schumer.

Antes, num almoço com congressistas republicanos no Capitólio, o presidente americano afirmou que o muro é uma "necessidade" e disse estar disposto a manter a paralisação parcial do governo o tempo que for necessário para conseguir as verbas para o projeto.

Na noite da terça-feira, o presidente fez um discurso em rede nacional de televisão sobre a questão e afirmou que há uma "crise humanitária e de segurança crescente" na fronteira com o México. Para resolver o problema, ele pede um financiamento de 5,7 bilhões de dólares.

A imprensa americana ressaltou que Trump fez várias afirmações falsas ou omitiu dados durante o discurso. O presidente disse, por exemplo, que todos os dias agentes de fronteira no México se deparam com milhares de imigrantes ilegais. O número é superestimado, afirmaram a CNN e o New York Times.

Depois do discurso, a oposição democrata, que controla a Câmara dos Representantes, disse que manterá a posição de se negar a disponibilizar a verba para a obra desejada pelo presidente.

A falta de acordo entre democratas e republicanos sobre o orçamento federal provocou a paralisação parcial do governo. Diferentes órgãos estão sem funcionar plenamente devido à falta de recursos. Centenas de milhares de funcionários do governo estão sem receber salários.

Schumer pediu ao presidente que desbloqueie a máquina estatal e dissocie a paralisação administrativa dos debates sobre a segurança fronteiriça.

Pelosi argumentou que a Câmara dos Representantes, agora sob o controle dos democratas, aprovou, no primeiro dia do novo Congresso, uma legislação para terminar com a paralisação parcial do Estado, com a liberação de 1,3 bilhão de dólares para segurança de fronteiras, mas a solução foi rejeitada por Trump porque não previa o financiamento do muro.

A ruptura nas negociações poderia indicar que o presidente irá declarar emergência nacional para contornar o impasse no Congresso e avançar com a construção do muro, uma de suas principais promessas de campanha.

CN/efe/rtr/ap

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados