TRF mantém nomeação de Moreira Franco | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 10.02.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

TRF mantém nomeação de Moreira Franco

Em guerra de liminares, Justiça derruba pela terceira vez veto a peemedebista para a Secretaria-Geral da Presidência. Ações contra indicação de Michel Temer afirmam que caso é semelhante ao de Lula no ano passado.

O Tribunal Regional Federal (TRF) da 1ª Região derrubou nesta sexta-feira (10/02) a terceira decisão judicial que tornava sem efeito a nomeação de Moreira Franco (PMDB) para o comando da Secretaria-Geral da Presidência da República, acatando assim recurso da Advocacia-Geral da União (AGU).

A decisão derruba a liminar de caráter provisório concedida nesta quinta-feira pelo juiz federal Anselmo Gonçalves, da 1ª Vara Federal de Macapá, que impedia a posse do peemedebista, em atendimento a uma ação apresentada pelo senador Randolfe Rodrigues (Rede).

Ao conceder a liminar, o magistrado afirmou que houve desvio de finalidade na nomeação que teria "objetivo blindar o senhor Moreira Franco contra eventual decreto de prisão por parte de juízes de primeiro grau de jurisdição".

Pouco antes desta decisão, o TRF do Rio de Janeiro derrubou a segunda liminar que impedia a nomeação de Franco, no entanto, retirou a prerrogativa do foro privilegiado ao reconhecer que a recriação Secretaria-Geral da Presidência, extinta em 2015, pode gerar suspeitas.

A AGU contesta os argumentos dos autores das ações. As três apresentadas alegam que a situação de Franco é semelhante ao caso da nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a Casa Civil pela ex-presidente Dilma Rousseff, no ano passado.

Na ocasião, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes suspendeu a nomeação de Lula por entender que a medida foi tomada para conceder foro privilegiado ao ex-presidente e assim evitar que ele fosse julgado nas ações da Lava Jato pelo juiz federal Sérgio Moro.

Franco foi nomeado ministro na semana passada, após a homologação das delações premiadas de executivos da Odebrecht. Citado 34 vezes e acusado de receber dinheiro para defender os interesses da empreiteira, ele ganhou foro privilegiado com a nomeação feita pelo presidente Michel Temer.  Seu cargo surgiu com a recriação da secretaria.

A guerra de liminares neste caso deve continuar até uma decisão do STF. Dois mandados de segurança foram apresentados na corte, pela Rede e o PSOl, questionando a nomeação.

CN/abr/ots

Leia mais