Tibete se torna tema de protesto das Marchas de Páscoa | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 22.03.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Tibete se torna tema de protesto das Marchas de Páscoa

Marchas da Páscoa deste ano dirigem seus protestos contra a violência praticada pela China no Tibete. Cresce entre políticos alemães o apoio ao boicote dos Jogos Olímpicos. Questão será debatida pelo Parlamento Europeu.

default

Mesmo sob chuva, bandeira pela paz no Tibete

Durante as tradicionais Marchas de Páscoa, realizadas todo ano em defesa da paz mundial, o movimento pacifista alemão exigiu o fim da violência e da violação dos direitos humanos no Tibete. Manfred Stenner, um dos líderes do movimento, considera importante lembrar Pequim da promessa – feita em abril de 2001, por ocasião da nomeação para os Jogos Olímpicos – de melhorar a situação dos direitos humanos na China. Stenner ressaltou a ligação do movimento pacifista com o dalai-lama: "Sua única arma é a palavra. Lutamos para que esta se torne a regra geral e para que todas as facções envolvidas em crises e conflitos abdiquem de impor sua vontade por meio da violência". Aumenta pressão para boicotar Olimpíadas O diretor da Federação Alemã de Esportes Olímpicos, Michael Vesper, continua rejeitando a idéia de boicotar os Jogos Olímpicos caso a China não suspenda a violência no Tibete. Ele argumenta que as Olimpíadas não devem ser instrumentalizadas como meio para um fim político. Entre os políticos alemães, no entanto, cresce a pressão para que os Jogos Olímpicos sejam usados para pressionar o governo chinês. O presidente da Comissão Esportiva do Parlamento Alemão, Peter Danckert, exige que representantes do Comitê Olímpico Internacional viajem a Pequim para esclarecer as conseqüências que a violência no Tibete possam ter para as Olimpíadas. O Partido Verde concorda com essa proposta. O chefe da bancada verde no Parlamento alemão, Fritz Kuhn, declarou que as associações esportivas finalmente deveriam começar a fazer alguma coisa, em vez de ficar repetindo que "esporte é esporte". Políticos alemães de diversas bancadas exigem um posicionamento europeu sobre a questão. Parlamento Europeu debate conflito no Tibete O presidente do Parlamento Europeu, Hans-Gert Pöttering, ameaçou com o boicote dos Jogos Olímpicos na China. De acordo com a imprensa alemã, ele exigiu que o governo chinês não tarde a iniciar negociações com o dalai-lama. Pöttering também questionou a continuidade da cooperação com Pequim em questões de desenvolvimento. "A China é um importante parceiro da União Européia, por exemplo, na proteção do clima. Diálogo e cooperação são de interesse mútuo. Mas o povo tibetano não deve ser sacrificado por isso. Para a Europa, seria perder o respeito a si própria." Na quarta-feira (26/03), o Parlamento Europeu pretende debater o conflito no Tibete. China proíbe transmissão ao vivo da Praça da Paz Celestial O governo chinês anunciou, neste sábado (22/03), que pretende reprimir com determinação o movimento de protesto tibetano. O editorial do jornal do Partido Comunista aponta esta meta: "Temos que enxergar as más intenções das forças secessionistas, levantar a bandeira da estabilidade social e reprimir com determinação a conspiração das forças tibetanas de independência". O comitê chinês de organização dos Jogos Olímpicos decidiu proibir transmissões ao vivo da Praça da Paz Celestial, em Pequim. Na semana passada, protestos de monges tibetanos contra o domínio chinês transformaram as ruas de Lhasa em um palco de violência. As autoridades chinesas divulgaram que os confrontos culminaram com a morte de 18 "civilistas inocentes" e um policial. O governo de exílio tibetano calcula que cerca de cem pessoas tenham sido mortas no confronto com a polícia chinesa.

Leia mais