Teste para cidadania gera críticas | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 09.07.2008
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Alemanha

Teste para cidadania gera críticas

Governo alemão defende contra as críticas o teste que será introduzido a partir de setembro para estrangeiros desejosos de adquirir a cidadania alemã.

default

Passaporte alemão somente após aprovação no teste

O governo alemão está interessado em que um maior número de estrangeiros adote a cidadania alemã. "Integração significa participação em nosso Estado em igualdades de condições, o que só pode ser alcançado por meio da naturalização", declarou em Berlim, nesta quarta-feira (09/07), Maria Böhmer.

A democrata-cristã, encarregada do governo federal para assuntos relacionados aos imigrantes, apresentou um manual que compila os diferentes caminhos para a naturalização.

Críticas ao teste preliminar

Em 2007, 113 mil estrangeiros adquiriram a cidadania alemã, 9,5% a menos do que no ano anterior. O imigrante que queira se naturalizar precisa preencher uma série de condições: viver há pelo menos oito anos na Alemanha, não ter antecedentes criminais, ganhar o necessário para se sustentar e ter conhecimentos suficientes do idioma alemão.

A partir de 1º de setembro, o candidato terá mais um obstáculo a enfrentar: um teste de múltipla escolha composto por 33 perguntas relativas à história, à política e à sociedade do país, das quais ele precisará acertar pelo menos 17. A resposta correta deverá ser escolhida entre quatro possibilidades, e a prova durará 60 minutos.

Fragenkatalog der Ausländerbehörde

Pelo menos 17 respostas devem estar corretas

As perguntas que caberão aleatoriamente a cada candidato fazem parte de um catálogo central disponibilizado no site do Ministério do Interior, composto de 300 questões relativas a complexos temáticos como "Vida na democracia", "História e responsabilidade", "Indivíduo e sociedade", e mais dez perguntas específicas referentes ao estado federado em que o estrangeiro se submeter ao teste.

Os próprios alemães acertariam?

Da lista de perguntas há questões tais como: quantos estados federados a Alemanha tem, qual a tarefa da oposição no Parlamento, quando foi fundada a República Federal da Alemanha ou de que país veio o primeiro trabalhador convidado (Gastarbeiter).

Outras são mais complexas e exigem conhecimentos mais profundos, como por exemplo: Qual foi a razão de Willy Brandt ter caído de joelhos no antigo Gueto de Varsóvia em 1970?

Essa pergunta, segundo Hans Christian Ströbele, mesmo muitos alemães natos teriam dificuldade para responder corretamente. O deputado do Partido Verde não é o único a criticar o teste, que foi elaborado pela Universidade Humboldt de Berlim e Maria Böhmer defende por considerar "indispensável". Em sua opinião, de 70% a 80% dos candidadatos devem ser capazes de passar pela prova.

A verdade é que foram encontradas algumas imprecisões no catálogo de perguntas: o estado da Baixa Saxônia já entrou com uma queixa oficial junto ao Ministério do Interior por causa de duas questões relativas ao estado apresentadas com respostas incorretas no questionário.

Leia mais