Temer: ″Sem espaço para regime não democrático na América do Sul″ | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 06.08.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

América Latina

Temer: "Sem espaço para regime não democrático na América do Sul"

Presidente afirma esperar que Venezuela reencontre caminho da democracia e possa retornar ao Mercosul, "onde será recebida de braços abertos". Maduro responde e diz que Temer "deu golpe" e é "aprendiz de ditador".

O presidente Michel Temer afirmou neste domingo (06/08), ao comentar a situação política na Venezuela, que não há mais espaço para alternativas não democráticas na América do Sul.

Em referência à decisão de suspender a participação da Venezuela do Mercosul, Temer disse que espera que o país vizinho reencontre o caminho da democracia e possa retornar ao bloco.

"Esperamos que a Venezuela encontre o caminho para a recomposição da ordem democrática, no respeito à diversidade de visões e posições. Queremos uma Venezuela que, de volta à democracia, possa voltar também ao Mercosul, onde será recebida de braços abertos", declarou Temer em vídeo divulgado nas redes sociais da Presidência.

Temer ressaltou que a situação da Venezuela "vem se deteriorando ao longo do tempo" e que a decisão do governo venezuelano de anular os poderes do Parlamento e convocar uma nova Assembleia Constituinte causa preocupação.

O presidente destacou que Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai ofereceram oportunidades de diálogo, mas que, com a recusa da Venezuela, o bloco decidiu suspender a adesão do vizinho. "A medida que se impunha era a da suspensão da Venezuela. O Protocolo de Ushuaia, que exige a democracia nos países contratantes, é claríssimo, a plena vigência das instituições democráticas é condição essencial para o processo de integração no Mercosul", afirmou.

Temer afirmou ainda que o Brasil, que atualmente preside o Mercosul, apoia o povo venezuelano e continuará atento aos desdobramentos da crise no país.

"Aprendiz de ditador"

Horas depois, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, chamou Temer de "aprendiz de ditador", em resposta ao vídeo divulgado pela Presidência da República.

Maduro criticou que Temer "falou da Venezuela como se fosse presidente da Venezuela" ao comentar a situação política do país. "Como se chama isso? Abuso. Intervencionismo. Um cara que ninguém elegeu. Ninguém elegeu Michel Temer, ele deu um golpe de Estado. No Brasil há um governo de facto repudiado por toda a sociedade brasileira", afirmou.

"E quer dar ordens. Aqui você não vai dar ordens, senhor Michel Temer. Prepare as malas porque o povo brasileiro vai tirá-lo daí mais cedo ou mais tarde, prepare suas malas, aprendiz de ditador!", declarou Maduro.

AS/abr/dpa

Leia mais