Temer diz que demitirá ministro que virar réu na Lava Jato | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 13.02.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Temer diz que demitirá ministro que virar réu na Lava Jato

Presidente afirma que governo "não quer e não vai blindar ninguém". Declarações são dadas após a polêmica nomeação de Moreira Franco, citado na operação, como ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República.

Michel Temer

Temer ressaltou que o ministro que se tornar réu deixará o cargo independentemente do julgamento final

O presidente Michel Temer disse nesta segunda-feira (13/02), em Brasília, que vai afastar os ministros que se tornarem réus na Operação Lava Jato. Caso sejam apenas denunciados, o afastamento será provisório.

"Se houver denúncia, o que significa um conjunto de provas que eventualmente possam conduzir ao seu acolhimento, o ministro que estiver denunciado na Lava Jato será afastado provisoriamente. Depois, se acolhida a denúncia, e, aí sim, o ministro se transformar em réu da Lava Jato, o afastamento é definitivo", afirmou Temer.

Temer ressaltou que o ministro que se tornar réu deixará o cargo independentemente do julgamento final. "Faço essa declaração para dizer que o governo não quer e não vai blindar ninguém", disse.

A regra, no entanto, só valerá para a Operação Lava Jato e não para outras investigações criminais. O presidente disse que a operação que investiga desvio de recursos da Petrobras segue em ritmo natural.

A declaração foi feita em meio às críticas a Temer por ter nomeado Moreira Franco , um aliado citado por delatores da Lava Jato, para o cargo de ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República. O gesto seria uma tentativa de conceder foro privilegiado a Franco no processo, que não seria julgado, então, na primeira instância, afirmaram os críticos.

Depois de uma batalha judicial que culminou com a suspensão da nomeação do novo ministro, dois tribunais de segunda instância de Brasília decidiram mantê-lo no cargo, mas sem o foro privilegiado. A decisão final cabe ao Supremo Tribunal Federal (STF), que analisa o caso nesta segunda-feira.

Greve

Temer reiterou que as Forças Armadas estão "prontas para restaurar a lei e a ordem" em resposta a greves de policiais militares, como a ocorrida na semana passada no Espírito Santo. 

"O Governo decidiu que as Forças Armadas estão prontas e disponíveis contra qualquer hipótese de desordem em qualquer Estado do país", afirmou ao descrever a paralisação como uma "insurgência", já que PMs são impedidos de entrar em greve.

Temer disse ainda que a Casa Civil está finalizando um projeto de lei que vai regulamentar o direito à greve no caso de serviços considerados essenciais nos âmbitos federal, estadual e municipal.

KG/Abr/lusa/ots

Leia mais