Temer consegue primeira vitória no Congresso | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 25.05.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Temer consegue primeira vitória no Congresso

Após 16 horas de sessão, senadores e deputados aprovam redução da meta fiscal de 2016 proposta pela equipe econômica do governo interino. Resultado das contas públicas é o pior desde o início da série histórica em 1997.

Assistir ao vídeo 02:29
Ao vivo agora
02:29 min

Mercado está cauteloso com as medidas do governo

O Congresso Nacional aprovou nesta quarta-feira (25/05) a revisão da meta fiscal de 2016 e autorizou o governo a fechar o ano com um déficit de 170,5 bilhões de reais. Esse será o pior resultado das contas públicas desde o início da série histórica em 1997 e o terceiro ano consecutivo em que o país não consegue pagar os juros da dívida.

A aprovação da proposta apresentada pela equipe econômica de Michel Temer na semana passada representa uma primeira vitória para o presidente interino no Congresso. A sessão conjunta durou 16 horas, com a oposição lançando requerimentos para obstruir e atrasar a votação. Também foram analisados 24 vetos presidenciais.

O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), tomou medidas para agilizar a votação e garantir que ela não fosse adiada em meio a discussões acaloradas entre parlamentares ligados à presidente afastada Dilma Rousseff e os da base aliada. A oposição alegou que o rombo foi superestimado.

A equipe econômica de Temer alegou que, se o déficit recorde não fosse aprovado, a máquina pública seria paralisada, com cortes de despesas em investimentos e programas sociais. A projeção de Temer supera o déficit de 96,7 bilhões de reais previsto no início do ano pelo governo de Rousseff.

Contenção em meio a escândalo

Nesta terça-feira, o governo federal anunciou medidas para conter os gastos públicos e projetar a economia do país num ritmo de crescimento. O primeiro pacote proposto pela equipe econômica exige que o BNDES devolva 100 bilhões de reais em dívida ao Tesouro Nacional.

A votação do projeto de lei no Congresso ocorreu um dia depois de Romero Jucá (PMDB-RR) ser licenciado do cargo de ministro do Planejamento. Áudios de uma conversa entre ele e o ex-presidente da Transpetro, Sérgio Machado, sugerem a criação de um pacto para afastar Rousseff e, assim, barrar as investigações da Operação Lava Jato.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados