Talibãs paquistaneses têm metas bem diferentes dos afegãos | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 13.05.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Talibãs paquistaneses têm metas bem diferentes dos afegãos

Os talibãs assumiram responsabilidade por ataque em centro de treinamento militar no Paquistão. Segundo suas próprias declarações, pretendem vingar a morte do líder da Al Qaeda. Quem são os talibãs paquistaneses?

Talibãs afegãos têm foco no Afeganistão

Talibãs afegãos têm metas locais

O duplo atentado suicida em um centro de treinamento militar no noroeste do Paquistão, nesta sexta-feira (13/05), foi o primeiro grande ataque terrorista desde a operação mortal contra Osama bin Laden por forças especiais dos Estados Unidos.

Os talibãs paquistaneses assumiram a responsabilidade pelo ataque. Mas o que distingue os distingue de seus homônimos no Afeganistão?

Qual talibã?

Talibã é o plural da palavra árabe talib, que quer dizer aluno. Talibã significa então alunos. "Nossa mensagem para os talibãs continua inalterada, mas talvez hoje ela tenha maior ressonância", disse a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, em 2 de maio, em sua primeira declaração após a morte de Osama bin Laden.

Ela se dirigia aos talibãs: "Vocês não podem nos vencer pelo cansaço. Vocês não podem nos vencer. Mas vocês têm a escolha de se separar da Al Qaeda e participar de um processo político pacífico". Clinton usa a palavra talibã sem qualquer questionamento, sugerindo, tal como muitos outros políticos ocidentais, que o talibã seja um movimento uniforme, homogêneo e hierarquicamente organizado.

Líder talibã Gulbuddin Hekmatyar

Líder talibã Gulbuddin Hekmatyar

Mas a qual talibã Hillary Clinton se dirigia diretamente? Ela se referia aos talibãs afegãos aglutinados em torno do mulá Omar, a grupos aliados ou ideologicamente próximos como a rede Haqqani, ou à facção armada Hezb-e-Islami de Gulbuddin Hekmatyar? Ou estava se referindo aos talibãs paquistaneses, que já há muito tempo perseguem uma agenda própria?

Em 1998, o jornalista paquistanês Rahimullah Yusufzai realizou duas entrevistas com Osama bin Laden. O jornalista deixou claro, em conversa com a Deutsche Welle, que não há dúvidas de que os talibãs lutam em dois países.

"O Paquistão também está em guerra. Aqui existem tantos atentados suicidas e a bomba, e tantos ataques norte-americanos com aviões não tripulados. Os militares estão na ofensiva e os militantes estão na ofensiva. A guerra está sendo travada no Afeganistão e no Paquistão", declarou o jornalista. Trata-se de uma guerra contra a Al Qaeda, talibãs e aliados rebeldes, mas não é uma guerra contra o mesmo talibã.

Movimento fundamentalista

A primeira geração de talibãs afegãos surgiu imediatamente após a retirada das tropas soviéticas do Afeganistão, nos campos de refugiados superlotados no Paquistão. Ali se formou nas escolas de religião um movimento islâmico sunita que teve como objetivo acabar com a guerra civil dos vitoriosos mujahedin. Os talibãs prometerem assegurar a paz e a segurança em sua pátria, como também impor a lei islâmica (xariá). O Paquistão e a Arábia Saudita apoiaram o movimento fundamentalista.

De 1996 até os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, os talibãs afegãos controlavam grande parte do país. Mas o papel de anfitrião da Al Qaeda foi fatídico para o regime. O período após o 11 de Setembro marcou então o começo de um movimento talibã independente no Paquistão, como confirma o autor e politólogo Ahmed Rashid.

"Isso tudo pode se atribuir ao fato de os talibãs afegãos e a Al Qaeda terem fugido então para o Paquistão. Eles não foram derrotados pelos norte-americanos e seus parceiros: eles encontraram refúgio nas Áreas Tribais paquistanesas e radicalizaram toda a região", analisa Rashid.

Conflito de interesses

A fronteira afegã-paquistanesa é um território tribal autônomo. Ali vivem principalmente pashtus. Sua área de assentamento é cortada arbitrariamente pela linha de fronteira, demarcada pelos antigos governantes coloniais britânicos. O movimento talibã em ambos os lados da fronteira tem raízes comuns na ultra conservadora e profundamente religiosa população sunita dos pashtus. Mas seus objetivos se desenvolveram em direções bastante opostas.

A meta dos afegãos talibãs, bastante organizados hierarquicamente, é somente expulsar as tropas ocidentais do Afeganistão, derrubar o governo do presidente Hamid Karzai e trazer de volta seu regime religioso. Para eles, o que importa é somente o Afeganistão.

Mas os guerreiros religiosos paquistaneses, com os quais eles lutaram durante anos nos campos de batalha, só lutam agora quase que exclusivamente contra o Estado paquistanês – e assim, contra um importante aliado dos talibãs afegãos. Estes dificilmente teriam conseguido se reorganizar, sem a mão protetora dos militares paquistaneses.

Segundo o New York Times, o mulá Omar tentou entre 2008 e 2009 reconquistar os talibãs paquistaneses para o combate no Afeganistão. Ele lhes pediu que cessassem seus ataques dentro do Paquistão e se concentrassem em alvos comuns no Afeganistão. Apesar disso, os ataques no Paquistão continuaram crescendo de número.

Perto da Al Qaeda

Atentados suicidas: arma de talibãs paquistaneses

Atentados suicidas: arma de talibãs paquistaneses

Segundo suas próprias declarações, os talibãs paquistaneses lutam contra o Estado do Paquistão, que consideram ser uma marionete ilegítima dos Estados Unidos. Eles também lutam contra cidadãos que tacham de "infiéis", como os xiitas paquistaneses, sufis, ahmadis e cristãos.

Eles saúdam expressamente ataques contra os EUA para além das fronteiras paquistanesas. Os talibãs paquistaneses estão muito mais abertos à ideologia da Jihad global da Al Qaeda do que seus correligionários afegãos.

Foi o falecido Baitullah Mehsud que, em dezembro de 2007, convocou uma reunião tribal na qual anunciou oficialmente a criação dos talibãs paquistaneses (Tehrik-i-Taliban Pakistan – TTP). Até hoje, o TTP permaneceu uma conexão bastante frouxa, cujos grupos operam bem independentemente entre si, muito mais do que os talibãs afegãos.

No entanto, o TTP já demonstrou repetidamente que pode atingir alvos de alto nível na região central do Afeganistão – sobretudo através de seus terroristas suicidas. Desde 2009, o chefe tribal pashtu Hakimullah Meshud é considerado o líder do TTP.

Dilema militar

Os militares paquistaneses, que determinam a política externa e de segurança do país, estão diante de um grande dilema: eles querem combater os talibãs paquistaneses sem perder os talibãs afegãos como aliados estratégicos contra a Índia. Ao mesmo tempo, o governo paquistanês fracassou em proporcionar educação e desenvolvimento nas Áreas Tribais.

Aos jovens falta uma alternativa para o fundamentalismo religioso. Sem qualquer perspectiva, eles continuarão a se juntar aos diversos grupos de talibãs, o que favorece os interesses da Al Qaeda.

Para o movimento radical islâmico, o Paquistão ganhou importância estratégica, desde que ficou claro que a juventude árabe não precisa da Al Qaeda para clamar por mudança.

Autora: Sandra Petersmann (ca)
Revisão: Augusto Valente

Leia mais