1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Presidente taiwanesa Tsai Ing-wen de blazer azul escuro fala num púlpito.
Tsai Ing-wen comanda a nação de cerca de 23 milhões de habitantesFoto: Chiang Ying-ying/AP Photo/picture alliance
PolíticaTaiwan

Taiwan não se curvará à China, diz presidente

10 de outubro de 2021

Líder da nação insular dá forte recado um dia após o presidente chinês, Xi Jinping, assegurar que a China "pode e vai conseguir" a reunificação com Taiwan. Tsai Ing-wen afirmou que reforçará defesas da ilha.

https://p.dw.com/p/41UWp

A presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, disse neste domingo (10/10) que Taipei "não vai se curvar" à pressão de Pequim no sentido do que o governo chinês chama de "reunificação".

No seu discurso no Dia da República Nacional da China, nome oficial de Taiwan, a líder da república insular acrescentou que Pequim "não ofereceria nem um modo de vida livre e democrático para Taiwan nem soberania para os seus 23 milhões de habitantes". 

O forte recado de Tsai ocorre apenas um dia após o presidente chinês, Xi Jinping, ter assegurado que a China "pode e vai conseguir" a reunificação com Taiwan, desta vez deixando de lado a ameaça de o fazer pela força.

O líder chinês oferece a integração de Taiwan à China sob "um país, dois sistemas", que, em teoria, é aplicado em Macau e Hong Kong, e que garantiria um certo grau de autonomia. 

Em resposta, Tsai afirmou que fortalecerá as defesas do país para garantir que ninguém possa forçar Taiwan "a seguir o caminho que a China traçou". 

Proposta pouco atraente

Para a presidente e outras autoridades taiwanesas, a proposta de Xi Jinping é pouco atraente, visto o controle cada vez mais evidente de Pequim sobre Hong Kong, em resposta aos protestos de 2019 exigindo mais liberdade.

"Depois de assumirem o controle total de Hong Kong e de se voltarem contra os ativistas pró-democracia, as autoridades de Pequim também se afastaram do caminho do desenvolvimento político e econômico que começaram há décadas atrás", frisou a presidente de Taiwan. 

Sobre as relações com Pequim – que, segundo o Ministro da Defesa de Taiwan, atravessam seu pior momento em 40 anos –, Tsai disse que não houve qualquer mudança na posição de Taipei. "Afirmamos manter o status quo, faremos o nosso melhor para garantir que não seja unilateralmente alterado." 

"Para resolver as diferenças [com a China], ambas as partes precisam entrar num diálogo baseado na igualdade", afirmou a política, que está no cargo desde 2016. 

Auxílio de outros países

A presidente também assegurou que "cada vez mais amigos democráticos estão dispostos a defender" Taiwan, destacando o progresso nas relações com o Japão, os Estados Unidos e a União Europeia. 

"Taiwan já não é visto como o 'órfão da Ásia', mas como uma ilha de resiliência que pode enfrentar desafios com coragem", enfatizou. Ela enalteceu os sucessos da nação, líder em indústrias-chave, como a de semicondutores, e um dos territórios que melhor controlaram a pandemia de covid-19.

"Quanto mais conseguimos, mais pressão enfrentamos da China. Não temos o privilégio de poder baixar a nossa guarda", frisou Tsai.

A ilha é governada de forma autônoma desde 1949, quando as forças nacionalistas do Kuomintang ali se refugiaram depois de terem sido derrotadas pelas tropas comunistas, que fundaram, no continente, a República Popular da China. Pequim considera Taiwan parte de seu território. 

le/av (Lusa, DPA, Reuters, ots)