Supremo afasta Aécio do Senado | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 18.05.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

Supremo afasta Aécio do Senado

Após revelação de áudio em que parlamentar pede 2 milhões de reais a dono da JBS, STF decide interromper mandato do tucano. Irmã e assessora do senador é presa pela Polícia Federal em Minas Gerais.

Aécio Neves

Aécio afirma que relação com dono da JBS era "estritamente pessoal"

O Supremo Tribunal Federal (STF) afastou nesta quinta-feira (18/05) Aécio Neves (PSDB-MG) do mandato de senador. A decisão foi anunciada pelo ministro do STF Edson Fachin após a revelação de um áudio em que Aécio, presidente nacional do PSDB, pede 2 milhões de reais a Joesley Batista, dono do frigorífico JBS.

A Procuradoria Geral da República (PGR) pediu a prisão do tucano, mas Fachin optou por não decretá-la monocraticamente. O magistrado submeteu ao plenário do STF o pedido de prisão.

Além de afastar Aécio, Fachin expediu um mandado de prisão preventiva contra a irmã e assessora do senador, Andrea Neves, que foi presa pela Polícia Federal (PF) em Minas Gerais. Há ainda um mandado de prisão contra o procurador da República Ângelo Goulart Vilela, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Também nesta quinta-feira, a PF e o Ministério Público Federal (MPF) cumpriram mandados de busca e apreensão em endereços ligados a Aécio em Brasília, no Rio de Janeiro e em Minas Gerais. Autoridades também estiveram no gabinete do senador no Congresso.

Também foram alvos de buscas os gabinetes do senador Zezé Perrella (PMDB-MG) e do deputado Rocha Loures (PMDB-PR) e a residência da irmã de Aécio. A Polícia Federal comunicou que foram expedidos cerca de 40 mandados de busca e apreensão.

Político alega relação pessoal

Fora do Senado e por várias horas calado ao longo da manhã e do início da tarde desta quinta-feira, Aécio Neves se manifestou em nota por intermédio de seu advogado. 

O argumento do senador é que ele pediu um empréstimo financeiro ao empresário Joesley Barbosa, da JBS, com base em uma relação pessoal e de amizade. 

Aécio diz que tentou vender um apartamento da família ao dono do JBS para pagar sua defesa na Lava Jato. O objetivo do senador afastado é se distanciar afastar a tese de que se tratou de pagamento de propina. 

Escândalo da JBS

O áudio em que Aécio pede 2 milhões de reais a o dono da JBS foi revelado nesta quarta-feira pelo jornal O Globo e é parte da delação premiada dos irmãos Joesley e Wesley Batista, proprietários do frigorífico. O dinheiro foi entregue a um primo do tucano, em cena filmada pela Polícia Federal. Rastreada, a quantia teria sido localizada numa empresa do senador Perrella.

Na delação, o dono da JBS cita também uma gravação na qual o presidente Michel Temer dá aval para o pagamento de uma mesada ao ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), em troca de seu silêncio na prisão. Segundo o Globo, Temer indica na gravação o deputado Loures para resolver uma questão da J&F Investimentos, holding que controla a JBS.

Posteriormente, Loures foi filmado recebendo uma maleta com 500 mil reais que teriam sido enviados por Joesley. O deputado foi afastado de seu mandato nesta quinta-feira, a pedido da PGR.

O dono da JBS relatou ainda, segundo o jornal, que o ex-ministro Guido Mantega, também investigado na Lava Jato, era seu contato dentro do PT. De acordo com Joesley, com esse político era negociado o dinheiro que seria distribuído aos membros e aliados do Partido dos Trabalhadores.

Em notas, tanto Temer como Aécio negaram qualquer irregularidade. O presidente afirmou que jamais solicitou pagamentos para silenciar Cunha, enquanto a assessoria do senador mineiro garantiu que a relação dele com o dono da JBS era "estritamente pessoal, sem qualquer envolvimento com o setor público". 

PV/LPF/rtr/efe/abr/ots

Leia mais