Suécia autoriza deportação de afegã de 106 anos | Notícias internacionais e análises | DW | 04.09.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Suécia autoriza deportação de afegã de 106 anos

Agência de Migração sueca argumenta que idade avançada não é motivo para garantir asilo. Bibihal Uzbezi chegou ao país no auge da crise migratória em 2015 e teria sido carregada por filho e neto até lá.

Bibihal Uzbezi está com saúde debilitada

Bibihal Uzbezi está com saúde debilitada

A Suécia aprovou a deportação de uma afegã de 106 anos que teve o pedido de asilo negado. Bibihal Uzbezi chegou ao país no auge da crise migratória em 2015. Na jornada pela Europa até o país nórdico, a idosa teria sido carregada pelo filho e o neto.

Em comunicado, a Agência de Migração da Suécia confirmou à agência de notícias AP nesta segunda-feira (04/09) a decisão da deportação e afirmou que idade avançada não é um motivo para garantir o asilo. 

A lei sueca permite que requerentes de asilo que tiveram o pedido negado recorreram em até três instâncias da decisão. A família de Uzbezi já entrou com um processo contra a deportação. A afegã estaria com a saúde debilitada e mal consegue falar.

Uzbezi foi para a Suécia em 2015. A viagem, através da rota dos Bálcãs, foi feita a pé e de trem. Atualmente, a idosa vive com outros 11 membros da família em Hova, no centro do país.

Antes de partir para a Europa, a família de Uzbezi vivia há oito anos ilegalmente no Iraque. Segundo o neto da idosa Mohammed Uzbeki, eles deixaram o Afeganistão devido à guerra e à insegurança. Ao solicitar o pedido de asilo, eles teriam dificuldade de provar qual o risco específico que a família correria se voltasse ao país natal.

A carta sobre a negativa do pedido teria chegado durante Ramadã. Os familiares de Uzbezi tentaram esconder a decisão do governo, mas a idosa começou a desconfiar diante da tristeza de suas netas. A família da afegã alega que, assim que ela descobriu sobre o requerimento, sua saúde teria se deteriorado.

Segundo a diretora da Rede Sueca de Grupos de Apoio a Refugiados, Sanna Vestin, por considerar que o Afeganistão não é tão inseguro, a Agência de Migração tem rejeitado pedidos de asilo de cidadãos do país. Vestin ressaltou, porém, que muitas das grandes cidades afegãs não são seguras no momento.

A Suécia foi um dos principais países de destino do fluxo de refugiados em 2015, ao lado da Alemanha.

CN/ap/ots

Leia mais