Streaming global significa imperialismo moral americano? | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 25.12.2019

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Entretenimento

Streaming global significa imperialismo moral americano?

Séries canceladas, regras puritanas sobre sexo e religião: a dominação por uns poucos de serviços de streaming já ameaça a liberdade artística. E desponta como árbitro absoluto de uma moral do mínimo denominador comum.

Homem e mulher à mesa em cena da série da Netflix Stranger Things

Um xerife fuma na série "Stranger Things": em breve vítima da censura da Netflix?

Com o mercado de streaming dos Estados Unidos aparentemente saturado, as operadoras americanas se concentram agora no resto do mundo. Lá, a receptividade para modelos de assinatura cresce, mas ainda não é tão dominante como no país – onde há décadas é praxe se complementarem as redes de TV clássicas assinando canais isolados ou pacotes inteiros.

A tendência global dita que os conteúdos também tenham acessibilidade global, ou seja, falem ao público europeu da mesma forma que ao africano ou asiático, cristão ou muçulmano. A grande volume de conteúdo – que, em princípio prometia diversidade – precisa ser unificado.

Consta que, para não ofender os mercados receptores nem colocar em risco sua imaculada imagem, a Apple estabeleceu diretrizes rigorosas para seu serviço de streaming. Segundo o diário Wall Street Journal, as produções sob o signo da maçã devem ser livres de violência, sexo e palavrões. Alguns projetos já se viram em dificuldades por isso.

Guerra sim, lésbicas não

É preciso olhar com extrema atenção para ver o beijo entre duas personagens femininas secundárias no nono filme da saga Star Wars. A cena dura apenas alguns segundos, mas já foi demais para o departamento de supervisão da mídia de Cingapura.

O filme – sem beijo – está liberado para menores de 13 anos com acompanhamento; com beijo, "o limite de idade teria que ser elevado", cita a agência de notícias Reuters um porta-voz da repartição de Cingapura, onde o casamento homossexual não é legalizado. A Disney se curvou às ressalvas, eliminando imediatamente da versão cinematográfica o primeiro beijo lésbico da história da saga sideral. A cena foi também cortada em outros países, como Dubai.

A série Vital signs, livremente baseada na vida do rapper e produtor Dr. Dre, foi suspensa durante a fase de produção. Após assistir a um episódio contendo consumo de cocaína, armas e sexo, o chefe da Apple, Tim Cook, achou a série sombria demais. Seria interessante saber o que a multinacional esperava de uma biografia de Dr. Dre.

Igualmente detonada foi a série com o título Bastards, a ser estrelada por Richard Gere, em torno de dois veteranos do Vietnam que fazem justiça com as próprias mãos. A trama já era conhecida pela Apple ao comprar caro os direitos, num processo de concorrência. Contudo, após disputas sobre o formato a ser adotado, a empresa preferiu rescindir o contrato, mesmo pagando uma "considerável" multa, noticiou a Hollywood Reporter.

Ainda segundo a revista, a Apple quer colocar "coração e sentimentos" em primeiro plano: seu setor de streaming busca basicamente conteúdos com mensagens positivas, e narrativas opressivas não têm lugar. Soa quase esotérica a estipulação de que as temáticas sejam "uplifting" – edificantes, inspiradoras. Divertidas, inofensivas, para toda a família: parece tratar-se menos de um serviço de streaming progressista do que da tradição da pudica televisão dos EUA.

Mulher com lança na selva, em cena de Star Wars: A ascensão Skywalker

"Star Wars: A ascensão Skywalker": era uma vez um beijo entre duas mulheres

Sem crucifixos, críticas à China, nem fumo

Embora a Apple TV+ tenha sido inaugurada em novembro e só englobe uma dúzia de formatos, já é longa a lista dos boatos sobre suas ingerências. Também os símbolos religiosos constam do índex de risco do megaconglomerado americano.

Lá acaba de estrear a série Servant, em que um casal perde o filho não nascido. O diretor M. Night Shyamalan (O sexto sentido) só obteve luz verde para o projeto sob a condição de que não apareça nenhum crucifixo na casa dos protagonistas. E a ideia de uma série sobre o movimento #MeToo foi sufocada no berço, por ser considerada delicada demais.

Um artigo no site de entretenimento BuzzFeed conta, ainda, que Eddy Cue, vice-presidente da Apple responsável por seus serviços online, teria instruído os produtores de TV a evitarem apresentar a China de ângulos negativos demais. O mercado chinês seria grande demais para ser posto em risco, e no fim das contas, mais do que streaming, está em jogo também a venda de smartphones, tablets, computadores e apps.

A imagem penosamente limpa que a Apple quer projetar com seus formatos de TV não é algo novo. Já dez anos atrás, a empresa eliminava de sua loja online os aplicativos considerados "ofensivos" – por exemplo, por mostrar gente de trajes de banho. Ainda assim, não é certo que se possa falar de censura, já que, como fornecedora, a Apple pode definir livremente os conteúdos e diretrizes de sua própria plataforma.

O mesmo se aplica ao serviço de streaming Disney+ – inaugurado em novembro nos EUA e a ser iniciado em 2020 no Brasil e Alemanha –, que apresenta exclusivamente conteúdos para espectadores menores de 17 anos. As produções de classificação etária mais elevada, por sua vez, são disponibilizadas na plataforma de on-demand Hulu, em que a Disney tem participação.

Até certo ponto, mesmo a Netflix – o total contrário da ideologia de rigor moral da Apple – vai embarcando na onda americana de pudicícia. Após protestos da campanha antifumo Truth Initiative, a gigante do streaming anunciou que no futuro não mostrará mais cigarros em formatos destinados a menores de 14 anos de idade. A estipulação vale também para o público mais velho, a menos que seja "essencial para a definição de uma personagem" ou necessária por motivos históricos.

Tim Cook (esq.) e Zhang Yiming, criador do controverso app de vídeo TikTok

Negócios acima de tudo: Tim Cook (esq.) da Apple e chinês Zhang Yiming, criador do controverso app de vídeo TikTok

Liberdade criativa ameaçada?

Desde já essa tendência é preocupante, em diversos níveis. Por um lado, há o aspecto a limitação da liberdade artística. Claro, patrocinadores que querem influenciar as produções são tão parte do setor cinematográfico quanto as câmeras e as luzes. Decisivo é quão longe vai essa influência.

E nesse ponto a Apple estabeleceu um precedente bastante perigoso, com decisões de pessoal unilaterais e a custosa suspensão de Bastards. A autonomia artística dos criadores ser tolhida desde as fases iniciais de produção é um péssimo sinal para o desenvolvimento de narrativas.

Justamente o gênero das séries foi determinante para o sucesso do streaming – incluindo violência e sexo, já que ambos fazem parte da realidade. Agora, quatro serviços americanos – Amazon, Netflix, Apple e Disney – detêm o ameaçador potencial de definir de forma duradoura as concepções morais de todo o mundo. E pelo menos a Disney é notoriamente acusada de imperialismo cultural já desde a década de 1960.

Narrativas temerosas de suscetibilidades individuais e reduzidas ao mínimo denominador comum roubam do formato série também sua maior força: o mergulho em outros mundos e a penetração nos hábitos de vida de outros meios, religiões e culturas.

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 
App | Instagram | Newsletter

Leia mais