STF suspende bloqueio do Whatsapp no Brasil | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 19.07.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Brasil

STF suspende bloqueio do Whatsapp no Brasil

Ricardo Lewandowski, presidente do Supremo, acata liminar do PPS e diz que suspensão do aplicativo viola o preceito fundamental da liberdade de expressão. Para diretor do Whatsapp, bloqueio é "chocante".

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski, derrubou a decisão da Justiça do Rio de Janeiro de suspender o funcionamento do Whatsapp em todo o Brasil nesta terça-feira (19/07). O aplicativo voltou a funcionar depois que as operadoras foram notificadas.

Na decisão, Lewandowski levou em consideração uma ação encaminhada pelo PPS que alega que o bloqueio do Whatsapp fere o preceito fundamental da liberdade de expressão. O presidente do STF concordou com o argumento e citou que intimações judiciais são emitidas por meio do aplicativo.

O bloqueio do Whatsapp foi determinado na manhã desta terça-feira pela juíza Daniella Barbosa Assunção de Souza, da 2ª Vara Criminal de Duque de Caxias.

Segundo a magistrada, o Facebook, que controla o Whatsapp, foi notificado três vezes sobre a decisão judicial de interceptar mensagens trocadas no aplicativo que seriam usadas numa investigação policial. A juíza exigia que os textos fossem desviados em tempo real antes de serem criptografadas. A empresa dos EUA teria respondido que não arquiva nem copia mensagens de seus usuários.

A juíza destacou que a empresa tem filial no Brasil, está sujeita às leis nacionais e tem de cumprir as decisões judiciais do país. Uma vez que a determinação de desviar as mensagens não pode ser cumprida, a aplicação não deve mais operar em território nacional, alegou a magistrada.

As operadoras de telefonia foram notificadas pela Justiça do Rio no final da manhã e logo começaram a cumprir a ordem judicial. Se não suspendessem o serviço, elas estariam sujeitas a uma multa de 50 mil reais por dias. O aplicativo chegou a ficar fora do ar por algumas horas antes da revogação.

"Chocante"

Mais cedo, o diretor executivo do Whatsapp, Jan Koum, rechaçou a decisão de bloquear mais uma vez o aplicativo no Brasil – esta é a terceira vez que o serviço sai do ar no país.

"É chocante que (...) a história se repita. Como antes, milhões de pessoas foram desconectadas de seus amigos, entes queridos, clientes e colegas, simplesmente porque exigem de nós informações que não temos", disse Koum em postagem no Facebook.

Outros bloqueios

Em maio deste ano, um juiz de Sergipe determinou que o aplicativo fosse suspenso no país por 72 horas, após o Facebook descumprir ordens judiciais que exigiam o compartilhamento de informações.

O juiz alegou que conteúdos de conversas no aplicativo seriam usados como provas em investigações ligadas ao crime organizado e ao tráfico de drogas. A Justiça determinou que o aplicativo voltasse a funcionar após um dia.

A recusa em liberar esses dados já havia levado à prisão do vice-presidente do Facebook na América Latina, Diego Dzodan, em 1º de março – determinada pelo mesmo magistrado sergipano.

Em dezembro de 2015, o Whatsapp foi bloqueado no Brasil também por conta de uma investigação criminal. A decisão determinava 48 horas sem acesso ao aplicativo, mas um desembargador do Tribunal de Justiça de São Paulo determinou o fim do bloqueio antes do tempo previsto.

EK/abr/lusa

Leia mais