Steinmeier pede perdão por perseguição de homossexuais | Notícias sobre política, economia e sociedade da Alemanha | DW | 03.06.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Alemanha

Steinmeier pede perdão por perseguição de homossexuais

Presidente alemão pede desculpas pelas injustiças sofridas por gays e lésbicas no país durante décadas. Chefe de Estado ressalta que eles continuaram sendo perseguidos mesmo após o fim do Terceiro Reich.

Bandeira arco-íris, símbolo das minorias sexuais, diante do Portão de Brandemburgo

Lei criminalizando práticas homossexuais permaneceu em vigor na Alemanha até 1994

O presidente da Alemanha, Frank-Walter Steinmeier, pediu neste domingo (03/06) perdão aos homossexuais pelos crimes do nazismo e pelas perseguições sofridas durante décadas, mesmo no período pós-guerra.

Em cerimônia em Berlim comemorando os 10 anos de inauguração do monumento às vítimas homossexuais do regime nazista, o chefe de Estado frisou que gays e lésbicas continuaram sendo perseguidos mesmo após o fim do Terceiro Reich, tanto na Alemanha Oriental como na Alemanha Ocidental. Ele afirmou que o dia 8 de maio de 1945 não foi, para eles, "um dia de total libertação”, se referindo à data formal da derrota do regime nazista na Segunda Guerra.

Steinmeier ressaltou que, mesmo após a fundação da Alemanha Ocidental, dezenas de milhares de homens foram condenados e presos por serem homossexuais. "O país deles fez com que eles esperassem demais. Por isso, eu peço hoje perdão por todo o sofrimento e injustiça e pelo longo silêncio posterior”, disse.

O governo alemão aprovou no ano passado uma lei anulando as condenações impostas desde o fim da Segunda Guerra Mundial baseadas no Parágrafo 175 do antigo Código Penal da Alemanha. Apelidado de "parágrafo gay” o dispositivo criminalizava relações homossexuais. A nova lei também prevê indenizações de cerca de 3 mil euros para cada condenado, além de 1.500 euros para cada ano de privação de liberdade sofrida, para o total de 5 mil pessoas prejudicadas que ainda vivem.

Steinmeier bittet um Vergebung für Unrecht an Homosexuellen (picture-alliance/dpa/R. Hirschberger)

Frank-Walter Steinmeier diante do monumento aos homossexuais perseguidos pelo nazismo: "espera longa demais"

O parágrafo foi criado em 1871, pouco após a fundação do Império Alemão. Ele declarava atos homossexuais como crimes passíveis de pena de prisão e perda dos direitos civis. Durante o período nazista (1933-1945), suas prescrições foram endurecidas e, nessa forma, incluídas na legislação da Alemanha Ocidental, fundada em 1949. O regime comunista da Alemanha Oriental, por sua vez, as adotou com emendas.

Enquanto a Alemanha Oriental eliminou o parágrafo 175 já em 1968, na Alemanha Ocidental ele foi mantido no Código Penal até 1994, mesmo após a descriminalização da homossexualidade, na prática, tendo sido atenuado nos anos 60 e 70. As sentenças do regime nazista foram anuladas em 2002; as pronunciadas depois de 1945, contudo, permaneceram válidas.

De 1945 até 1969, quando o parágrafo foi relaxado, estima-se que houve cerca de 64 mil processos penais na Alemanha baseados nos Parágrafo 175, com parte deles tendo sido encerrada com condenações a vários anos de prisão. Além disso, muitos homossexuais perderam emprego e moradia e sofreram exclusão social.

O monumento em memória aos homossexuais perseguidos pelo regime de Adolf Hitler foi inaugurado em maio de 2008 no parque Tiergarten, no centro da capital alemã, a poucos metros do Memorial do Holocausto. O pilar de concreto de 3,6 metros de altura, projetado pelos artistas escandinavos Michael Elmgreen e Ingar Dragset, exibe um vídeo com casais homossexuais se beijando.

MD/efe/epd

_______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube | WhatsApp | App | Instagram

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados