Sindicato suspende greve no aeroporto de Frankfurt | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 22.02.2012
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Sindicato suspende greve no aeroporto de Frankfurt

Após cinco dias de paralisação, funcionários de terra anunciam que retomarão o trabalho na noite desta quarta-feira. A decisão veio após a operadora do aeroporto, Fraport, declarar-se disposta a negociar.

Após a operadora do aeroporto de Frankfurt, Fraport, ter emitido um comunicado propondo negociações com os grevistas na manhã desta quarta-feira (22/02), o Sindicato de Segurança Aérea da Alemanha (GdF) decidiu suspender a greve. A paralisação de cerca de 200 funcionários de terra por aumento de salário teve início na última quinta-feira e estava prevista para se estender até as 23h da próxima sexta-feira.

"Conferimos o conteúdo e comunicamos a Fraport sobre a nossa disposição para dialogar", disse Michael Schäfer, chefe do GdF, sobre a proposta recebida por fax e e-mail. Ambos os lados devem estar prontos para negociar sem condições preliminares, disse o chefe da Fraport, Stefan Schulte. A greve será suspensa com o início do turno da noite desta quarta-feira, por volta das 22h.

Após uma pausa no fim de semana, a paralisação havia entrado em seu quinto dia com menos vôos cancelados. Segundo a Fraport, com o acionamento de trabalhadores assistentes, cada vez mais voos estavam sendo realizados, chegando a 80% do total. Nesta quarta-feira, 165 voos nacionais e europeus do total de 1260 voos planejados haviam sido cancelados. No dia anterior, foram 200.

O GdF, responsável pela greve, questionou os dados sobre os voos divulgados pela Fraport. "Nosso números mostram algo diferente", disse Markus Siebers, membro da diretoria nacional do GdF. "Os cortes estão presentes. E de maneira muito clara."

A Fraport defendeu-se dizendo que se preparava para uma greve dos trabalhadores de solo há dois anos. Por isso, de acordo com o chefe da operadora, Stefan Schulte, substitutos já haviam sido treinados em simuladores. "Segurança em primeiro lugar", declarou.

Prejuízos milionários

A Lufthansa foi a companhia mais afetada com a paralisação, tendo 100 voos anulados somente nesta quarta-feira. Nos primeiros quatro dias de greve, foram 700 cancelamentos, que afetaram 55 mil passageiros, segundo a porta-voz da empresa.

Com isso, a Lufthansa já teve prejuízos milionários de dois dígitos no período. Se a greve se estendesse por semanas, a companhia não descartaria a possibilidade de entrar com uma ação judicial contra o sindicato GdF.

LPF/dapd/dpa/rtr
Revisão: Francis França