Sindicato anuncia greve na Lufthansa | Notícias e análises sobre a economia brasileira e mundial | DW | 05.11.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Sindicato anuncia greve na Lufthansa

Comissários de bordo irão paralisar trabalho por oito dias, a partir das 14h de sexta-feira. Trechos afetados serão anunciados pouco antes do voo. Greve não atinge subsidiárias, como Germanwings e Eurowings.

Depois de uma tentativa frustrada de chegar a um acordo com a companhia aérea, o sindicato dos comissários de bordo Ufo anunciou nesta quinta-feira (05/11) uma greve de oito dias na Lufthansa, com início previsto para as 14h de sexta-feira. A princípio, foram afetados os voos que partem de Dusseldorf e Frankfurt.

"Não há qualquer opção que nos permita evitar uma greve", disse o chefe do sindicato, Nicoley Baublies. O anúncio dos trechos afetados será feito pouco tempo antes do horário programado para o voo.

Se o sindicato realmente cumprir a paralisação de oito dias, essa será a mais longa greve da história da Lufthansa. A companhia aérea informou que irá estabelecer um plano de voo especial, assim que tiver informações concretas sobre quais trechos serão atingidos pela greve.

A empresa afirmou ainda que ofereceu considerar as demandas apresentadas pelo sindicato, referentes a aposentadorias precoces e a previdência complementar empresarial, em troca do cancelamento da greve.

O sindicato recusou a oferta e Baublies afirmou que as declarações da Lufthansa eram "um descaramento inacreditável". De acordo com o chefe do Ufo, a empresa teria dito que as demandas dos funcionários eram muito caras.

As subsidiárias da Lufthansa, como a Germanwings, Eurowings, Swiss Airlines e Austrian Airlines, não serão afetadas pela greve.

O sindicato representa 19 mil comissários de bordo da empresa. Eles não são a única pedra no sapato da Lufthansa, que negocia com representantes de vários grupos.

Devido à disputa tarifária com os pilotos, a Lufthansa enfrentou em setembro deste ano sua 13ª greve em 18 meses. A paralisação dos pilotos foi motivada pelos planos da companhia de modificar o sistema de aposentadoria antecipada.

Além disso, a companhia aérea pretende oferecer mais rotas através de suas subsidiárias low cost, estendendo os voos para trechos de longa distância. O projeto desagrada aos funcionários, pois os planos preveem que as equipes dessas subsidiárias recebam salários menores. Nesta segunda-feira, a subsidiária Eurowings inaugurou seus voos de longa distância.

CN/lusa/rtr/afp/dpa

Leia mais