Senado aprova projeto que reconhece animal como ser com sentimentos | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 08.08.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Senado aprova projeto que reconhece animal como ser com sentimentos

Proposta prevê tratar bichos como seres passíveis de sofrimento e capazes de sentir emoções, e não mais como objetos. Mudança deve fortalecer proteção jurídica em casos de maus-tratos. Texto retorna agora à Câmara.

Cachorro bebe água da mão de uma pessoa

Projeto de lei visa fortalecer direitos dos animais

O plenário do Senado aprovou nesta quarta-feira (07/08) um projeto de lei que cria um regime jurídico especial para os animais, reconhecendo-os como sujeitos de direito e não mais como objetos.

A proposta prevê reconhecer os bichos como seres sencientes, ou seja, capazes de sentir emoções e passíveis de sofrimento.

O texto acrescenta ainda um dispositivo à Lei dos Crimes Ambientais, para determinar que os animais não sejam mais considerados bens móveis, equivalentes a objetos, conforme especifica o artigo 82 do Código Civil.

Segundo a Agência Senado, as mudanças na legislação fornecem aos animais mais um mecanismo de proteção jurídica em casos de maus-tratos. Eles terão, por exemplo, direito a habeas corpus e outros instrumentos legais.

Por ter sido modificada no Senado, a matéria retornará para a avaliação da Câmara e, se aprovada entre os deputados, segue ao presidente Jair Bolsonaro, para sanção ou veto.

De iniciativa do deputado Ricardo Izar (PP-SP), a proposta estabelece que os animais passam a ter natureza jurídica sui generis, como sujeitos de direitos despersonificados.

"É um avanço civilizacional. A legislação só estará reconhecendo o que todos já sabem: que os animais que temos em casa sentem dor e emoções. Um animal deixa de ser tratado como uma caneta ou um copo e passa a ser tratado como ser senciente", disse o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), relator do projeto na Comissão de Meio Ambiente.

Randolfe acatou, contudo, uma emenda apresentada em plenário pelos senadores Rodrigo Cunha (PSDB-AL), Major Olimpio (PSL-SP) e Otto Alencar (PSD-BA), que pede que manifestações culturais e a atividade agropecuária sejam excluídas do alcance do projeto.

"A emenda determina que a tutela jurisdicional prevista no texto não se aplicará aos animais produzidos pela atividade agropecuária e aos que participam de manifestações culturais, como é o caso da vaquejada", explica a Agência Senado.

Artistas e ativistas da causa dos animais estiveram no Senado para acompanhar a votação. A ativista Luisa Mell e as atrizes Paula Burlamaqui e Alexia Dechamps visitaram  o presidente da Casa, Davi Alcolumbre, para pedir a aprovação do projeto.

MD/as/ots

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube
App | Instagram | Newsletter

Leia mais