Sem insumos, Butantan interrompe produção da Coronavac | Notícias e análises sobre os fatos mais relevantes do Brasil | DW | 14.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma olhada exclusiva na versão beta da nova DW. Sua opinião nos ajudará a torná-la ainda melhor.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Brasil

Sem insumos, Butantan interrompe produção da Coronavac

Instituto entrega 1,1 milhão de doses ao Ministério da Saúde e anuncia paralisação por falta de matéria-prima. Insumos estão retidos na China, o que Doria atribui a constantes ataques de Bolsonaro ao país asiático.

Contêiner com lotes da Coronavac sendo embarcado num avião no aeorporto internacional da Guarulhos, em São Paulo

Desde janeiro, o Butantan repassou mais de 47 milhões de doses da Coronavac ao Programa Nacional de Imunização

O Instituto Butantan anunciou nesta sexta-feira (14/05) a entrega de 1,1 milhão de doses da Coronavac ao Ministério da Saúde, mas também a suspensão completa da produção do imunizante contra a covid-19 por falta de insumos. Com a paralisação de produção da Coronavac, o ritmo de vacinação no estado de São Paulo tende a diminuir.

"A boa notícia é que temos a entrega de mais de 1,1 milhão de doses da vacina. A má notícia é que a partir de hoje [sexta-feira] o Instituto Butantan não pode processar novas vacinas", disse o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), em coletiva de imprensa na sede do Butantan.

Desde janeiro, o instituto repassou 47,212 milhões de doses da Coronavac ao Programa Nacional de Imunização (PNI) do Ministério da Saúde. A entrega desta sexta-feira faz parte do segundo contrato selado com o ministério, que prevê o fornecimento de 54 milhões de doses até setembro – o que totalizaria 100 milhões de doses.

Novas entregas não estão previstas e dependem da chegada de novos insumos. O Butantan divulgou que um lote de 10 mil litros de insumos da Coronavac está retido na China à espera de liberação para envio ao Brasil – essa quantidade é suficiente para produzir 18 milhões de doses da vacina.

"Ação agressiva de Bolsonaro dificulta relação com a China"

Doria atribui os entraves na importação aos constantes ataques feitos pelo presidente Jair Bolsonaro a Pequim. "O governo federal sistematicamente ataca a China, ataca o povo chinês, e ataca a vacina da China", disse o governador paulista em entrevista à DW. "O que é surpreendente, diante do fato de que é essa vacina que está salvando milhões de brasileiros contra a covid-19."

A Coronavac, produzida pelo laboratório chinês Sinovac em parceria com o Butantan, responsável pela etapa derradeira na cadeia de produção da vacina no Brasil, corresponde a cerca de 70% das vacinas contra a covid-19 aplicadas até agora no país, segundo dados do Ministério da Saúde.

Segundo Doria, a "ação agressiva" de Bolsonaro em relação a Pequim "dificulta as ações dos governos, assim como do governo de São Paulo, na relação diplomática com a China".

No início deste mês, em mais um ataque contra o governo chinês, Bolsonaro sugeriu que a China teria se beneficiado economicamente com a pandemia e afirmou que o vírus causador da covid-19 pode ter sido criado em laboratório – uma tese refutada pela investigação da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre as possíveis origens do Sars-Cov-2.

O governo de São Paulo afirmou que tem mantido um diálogo estreito com o embaixador do Brasil na China para conseguir a liberação da exportação dos insumos.

Covas acredita em recuperação do cronograma

O diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas, afirmou que o montante de insumos retido na China corresponde ao necessário para a produção da quantidade de doses previstas para serem entregues ao Ministério da Saúde em maio e junho. Covas admitiu que haverá atrasos nas entregas, mas afirmou também que o cronograma poderá ser recuperado em junho, assim que os insumos chegarem ao Brasil.

Quando questionado sobre possíveis cláusulas contratuais que poderiam garantir a entrega das doses compradas, Covas apenas relatou que o primeiro contrato com a Sinovac, que envolvia 46 milhões de doses, acabou de ser cumprido com apenas 12 dias de atraso, e que o segundo, de 54 milhões de doses, acabara de começar. 

"Nesse momento, o que se atrasa é a previsão. Quer dizer, nós tínhamos em maio a previsão de entregar 12 milhões de doses, e vamos entregar um pouco mais de 5 milhões. Em junho, temos a previsão de 6 milhões de doses. Se o IFA [Ingrediente Farmacêutico Ativo] chegar muito rapidamente, vamos cumprir, vamos recuperar o cronograma de maio e vamos cumprir o de junho", disse Covas.

Fiocruz receberá insumos ainda neste mês

A China é fornecedora de insumos tanto para a produção da Coronavac, produzida no Brasil pelo Instituto Butantan, como da vacina de Oxford-AstraZeneca, produzida no Brasil pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

A Fiocruz anunciou nesta sexta-feira que também precisará interromper a fabricação de sua vacina por alguns dias na próxima semana, por falta de insumos. A produção deverá ser retomada após a chegada de uma nova remessa de ingredientes em 22 de maio, além de um carregamento subsequente em 29 de maio.

O anúncio da Fiocruz animou Covas, que espera que seja autorizada a liberação do envio de lotes da Coronavac nos próximos dias. "Existe a notícia oficial da Fiocruz, que ela teve uma liberação para embarque no dia 22. É uma boa notícia. Quer dizer, se começou a liberar, então, é possível que a gente também tenha uma boa notícia", disse Covas.

Pelo menos 15 estados já paralisaram a aplicação da primeira ou da segunda dose da Coronavac por falta de vacina. Em São Paulo, ainda há doses para os grupos anunciados, que incluem pessoas com comorbidades e deficiência permanente entre 45 e 49 anos de idade, até 21 de maio.

pv/ek (ots)

Leia mais