Sérvia lembra 100 anos da Primeira Guerra em tom patriótico | Primeira Guerra | DW | 28.07.2014
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Primeira Guerra Mundial

Sérvia lembra 100 anos da Primeira Guerra em tom patriótico

Políticos e imprensa enfatizam heroísmo e orgulho nacional em homenagens à data histórica. Em 28 de julho de 1914, Império Austro-Húngaro declarou guerra ao país balcânico, desencadeando o conflito mundial.

Rua na cidade de Visegrad leva nome do movimento Jovem Bósnia, de Gavrilo Princip

Rua na cidade de Visegrad leva nome do movimento "Jovem Bósnia", de Gavrilo Princip

Por ocasião do centenário da declaração que desencadeou a Primeira Guerra Mundial, nesta segunda-feira (28/07), veículos de imprensa e políticos da Sérvia celebraram em tom patriótico o papel do país no conflito, apresentando como exemplar a luta nacional contra as monarquias alemã e austro-húngara.

Como sede para uma sessão extraordinária, o atual governo sérvio escolheu a cidade de Niš. Desde o início do conflito até 1915, ela foi capital provisória do país, abrigando o governo e a Assembleia Nacional.

Já na noite da véspera, uma cerimônia oficial recordara o começo da Primeira Guerra. Segundo disse o ministro do Trabalho Aleksandar Vulin, em discurso solene, "se os grandes e poderosos têm algo a aprender com a Sérvia, é que ela sempre esteve do lado da luz e da liberdade".

Os periódicos sérvios também registraram o centésimo transcurso da data com cadernos especiais e comentários em tom emotivo. "Nós fomos os heróis da Europa", foi a manchete do Nase Novine, publicado na capital Belgrado.

O tabloide Blic afirmou que "a Sérvia da época da Primeira Guerra Mundial constitui uma eterna fonte de heroísmo e orgulho". "Os presidentes da Rússia e da França e o premiê do Reino Unido deveriam vir a Belgrado, apertar as mãos dos descendentes dos heróis", prosseguiu.

Mais de 1 milhão de mortos

O conceituado jornal Politika, por sua vez, afirmou que "a obstinação da Sérvia em defender seu direito e a justa causa sérvia trouxe a vitória: a Áustria recebeu o que merecia".

Viena marcou o centenário com uma exposição antibélica no Museu Leopold, em que se exibe o documento de declaração de guerra da Áustria à Sérvia. Diplomatas de ambos os países estiveram presentes à inauguração da mostra.

O Império Austro-Húngaro declarou guerra aos sérvios em 28 de julho de 1914, desencadeando assim o conflito de proporções mundiais. Exatamente um mês antes, o herdeiro do trono austríaco, Franz Ferdinand, fora assassinado em Sarajevo (atual capital da Bósnia-Herzegóvina), pelo nacionalista sérvio Gavrilo Princip. O atentado originou tensões diplomáticas entre as duas nações, que se exacerbaram nas semanas seguintes.

Com 1,1 milhão de mortos, o país balcânico perdeu um quarto de sua população total – o maior índice de mortalidade entre os Estados envolvidos no grande conflito."Todo sérvio deveria – não importa onde, no planeta – demonstrar reconhecimento aos ancestrais que salvaram este país da destruição, para que hoje possamos viver", disse o jornal Blic.

AV/ap/dpa

Leia mais