Riqueza lingüística em tempos de caixas vazios | Cultura europeia, dos clássicos da arte a novas tendências | DW | 26.09.2004
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

Cultura

Riqueza lingüística em tempos de caixas vazios

No Dia Europeu dos Idiomas (26/9), a diversidade lingüística do continente é propagada a quatro cantos. Apesar de belos discursos e intercâmbios em funcionamento, teme-se que a UE acabe falando apenas inglês e francês.

default

Políticos europeus louvam com prazer a diversidade existente sob a sigla da União da Européia. Também com prazer afirmam que a UE faz de tudo para que essa diversidade perpetue. Inclusive a variedade de línguas, obviamente, que é, de acordo com a denominação da própria UE, a "riqueza da Europa".

Identidade cultural

Sprachverwirrung in der EU Zeichnung

Europa de muitas línguas

Sem dúvida: em nenhuma outra região do planeta, há tanto incentivo à prática de idiomas. Até mesmo a dos chamados minoritários, falados às vezes apenas por um número reduzido de pessoas. Estes incentivos vão da pesquisa lingüística até aos recursos destinados a associações culturais, voltadas para o aprendizado dos idiomas pelas próximas gerações.

Estas medidas são bem-vindas, mesmo nos casos em que tais idiomas adquirem cada vez mais o caráter de museu, como é o caso do sorbisch no Leste alemão. Pois a língua carrega muito da cultura de um povo, estando, por isso, estreitamente aliada à identidade cultural de um país.

Tarefas para um comissário

Jan Figel

O eslovaco Ján Figel, comissário europeu

Com o ingresso recente de dez novos países na UE – com nove línguas oficiais e alguns idiomas falados por minorias – o tema passou a integrar, pela primeira vez de forma direta, a lista de tarefas de um comissário da UE: a do eslovaco Ján Figel, que será responsável, a partir de novembro próximo, por Educação, Cultura e Idiomas. Figel deverá fazer de tudo para que a Europa, ao contrário do que muitos temem, não acabe um dia falando apenas inglês.

Não, na verdade, é uma tendência oposta a isso que causa preocupação. Pois nos 15 países da "antiga" UE, menos da metade da população domina um idioma estrangeiro a ponto de ter segurança para estabelecer um diálogo. Certamente há outras tendências, que apontam para o contrário: por exemplo, o fato de que há um número cada vez maior de países, onde o ensino de uma língua estrangeira já começa nas escolas primárias. Também na Alemanha há alguns projetos-piloto neste sentido.

Limites do aprendizado

Englischunterricht für Drittklässler in Nordrhein-Westfalen

Aulas de inglês para crianças alemãs

No entanto, não se deve manter ilusões: a idéia de que seria maravilhoso se todos os cidadãos da UE falassem pelo menos um idioma estrangeiro ainda não chegou à cabeça dos políticos dos países do bloco. Um exemplo de como o modelo "ensino de línguas sem meta de aprendizado" funciona bem, pode ser visto nas escolas do Reino Unido.

Ali, a filosofia que paira sobre as cabeças é a de que o mundo inteiro fala mesmo inglês. Ou seja: para que aprender outra língua? Mas também em países como Espanha, Portugal, Itália e França, o tão propagado "espírito europeu", no caso do aprendizado de idiomas estrangeiros, têm seus limites.

Bruxelas e Estrasburgo: paraísos da diversidade

Sprachlabor bei der europäischen Kommission

Laboratório de idiomas da Comissão Européia

Ao mesmo tempo, nas centrais da UE em Bruxelas e Estrasburgo, surge um paradisíaco habitat natural da diversidade lingüística. Diga-se de passagem, um habitat que, a cada ingresso de um novo país-membro no bloco, passa a custar mais caro ainda.

Com a ampliação da UE em direção ao Leste Europeu, o número de idiomas oficiais passou para 20 e as despesas com tradutores e intérpretes ultrapassaram a marca de um bilhão de euros por ano. Como aguarda-se a futura entrada de outros países, os custos também aumentarão ainda mais.

Justiça a qualquer preço?

Se a UE ainda vai poder por muito mais tempo continuar praticando sua "justiça lingüística", é de se duvidar. Em casos de emergência, há de se questionar, por exemplo, por que o maltês é considerado idioma oficial, se o catalão – falado por 13 vezes mais pessoas – não é.

Mesmo entre todos os belos discursos sobre a riqueza lingüística, não se deve esquecer de uma coisa: se os caixas se esvaziarem ainda mais, a UE terá que pensar de forma mais pragmática. As vozes que reclamam dois ou três idiomas para Bruxelas e Estrasburgo – inglês, francês e eventualmente alemão – já ecoam. E, no futuro, deverão ressoar ainda mais alto.

Leia mais