1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Duwa Lashi La
Duwa Lashi La: "Hoje iniciamos uma guerra defensiva do povo contra a junta militar"Foto: National Unity Government via Facebook via AP/picture alliance
PolíticaMianmar

Resistência de Myanmar conclama à rebelião contra ditadura

7 de setembro de 2021

Grupo oposicionista Governo de Unidade Nacional defende "guerra defensiva" contra junta de generais que governa país desde golpe militar de fevereiro.

https://www.dw.com/pt-br/resist%C3%AAncia-de-myanmar-conclama-%C3%A0-rebeli%C3%A3o-contra-ditadura-militar/a-59110383

O grupo de oposição conhecido como Governo de Unidade Nacional (NUG, na sigla em inglês), composto por políticos e ativistas pró-democracia, conclamou a uma rebelião popular contra a junta militar que governa Myanmar, nesta terça-feira (07/09).

"Hoje iniciamos uma guerra defensiva do povo contra a junta militar", declarou o presidente do NUG, Duwa Lashi La, num vídeo. "Durante esta revolução popular, todos os cidadãos devem se revoltar em todo o país contra a junta militar", afirmou.

O líder da resistência também encorajou a população a se unir a grupos armados que se formaram depois do golpe para combater o regime. Esses grupos se aliaram a milícias étnicas que há anos lutam por mais autonomia.

Os militares no poder minimizaram a conclamação e disseram que os oposicionistas estão tentando desestabilizar o país.

O NUG se considera um governo paralelo e é composto por legisladores eleitos que não puderam assumir seus mandatos devido ao golpe militar de fevereiro. Eles estão no exílio ou na clandestinidade e buscam apoio da comunidade internacional.

União Europeia, Estados Unidos e Reino Unido anunciaram sanções à junta militar nos últimos meses.

Golpe de Estado

O Exército de Myanmar justificou o golpe de Estado de 1 de fevereiro com supostas fraudes eleitorais durante as eleições legislativas de novembro de 2020, cujo resultado deu a vitória à Liga Nacional para a Democracia, força política liderada pela ativista e Nobel da Paz Aung San Suu Kyi.

San Suu Kyi está em prisão domiciliar desde o golpe e enfrenta uma série de acusações na Justiça. Observadores internacionais disseram que não houve irregularidades nas eleições.

Desde o golpe, Myanmar está com a economia paralisadas e já teve várias manifestações, que fortemente reprimidas pelas forças militares e pela polícia.

Além das manifestações, greves tiveram a adesão de milhares de trabalhadores do setor público, gerando problemas em várias setores, como saúde, bancos, educação e indústria, e deixando o serviço público à beira do colapso.

Segundo a Associação de Assistência a Presos Políticos (AAPP), a repressão fez 945 mortos, e mais de 7 mil pessoas foram detidas. Cerca de 200 mil pessoas foram forçadas a fugir de casa devido às ações militares.

as (AP, Lusa)