1. Pular para o conteúdo
  2. Pular para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Morador de rua em frente à fachada de uma loja em São Paulo
Perda nos rendimentos afetou a população como um todo em 2021, mas as camadas mais pobres foram as mais atingidasFoto: Nelson Almeida/AFP

Rendimento médio do brasileiro tem queda recorde em 2021

10 de junho de 2022

Valor atinge patamar mais baixo em uma década, durante o segundo ano da pandemia. Redução do auxílio emergencial derrubou a renda domiciliar per capita. Cresce o total de pessoas sem nenhuma fonte de rendimentos.

https://p.dw.com/p/4CYIh

A deterioração da renda mensal dos brasileiros em 2021 teve uma queda recorde, chegando ao pior patamar em dez anos.

Um levantamento divulgado nesta sexta-feira (10/06) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) revela que a renda domiciliar per capita e o rendimento mensal real da população atingiram o nível mais baixo da série histórica do instituto, cujos registros tiveram início em 2012.

A perda nos rendimentos afetou a população como um todo em 2021, com recuos registrados nas 13 classes de rendimento avaliadas pelo IBGE. Contudo, as camadas mais pobres foram as mais atingidas. Os 5% dos brasileiros com rendas mais baixas tiveram perdas de 33,9% no ano passado, comparado ao ano anterior.

A segunda camada mais afetada foi a dos brasileiros na faixa dos 5% a 10% mais pobres, a segunda menor renda média entre a população, que teve perdas de 31,8%.

Segundo o estudo, a pandemia de covid-19 agravou a crise econômica e contribuiu para as perdas. O fim do auxílio emergencial concedido pelo governo para combater os efeitos econômicos do coronavírus fez a renda domiciliar per capita chegar ao menor patamar histórico. Além disso, a proporção de pessoas que vivem sem qualquer tipo de rendimento no país aumentou no período avaliado.

Recordes na série histórica

O cálculo do IBGE que determina o rendimento médio mensal leva em conta somente os indivíduos que possuem alguma fonte de renda, seja qual for. A renda domiciliar per capita corresponde à divisão do rendimento daqueles que o recebem com outras pessoas que vivem sob o mesmo teto.

O rendimento mensal médio real de todas as fontes passou de 2.386 reais em 2020 para 2.265 reais em 2021, sendo este o valor mais baixo desde o início dos registros. O recuo corresponde a uma queda anual de 5,1%, a mais intensa da série histórica. Em 2012, esse valor era calculado em estimado em 2.369 reais – descontada a inflação do período.

O recorde anterior da queda da renda mensal real no país era de 3,4%, na passagem de 2019 para 2020, quando o recuo foi impulsionado pela alta no desemprego.

Em 2021, porém, o número de pessoas desempregadas era menor, com um aumento de 38,7% para 40,2% na proporção de pessoas com rendimentos provenientes do trabalho. Mesmo assim, a renda média efetivamente recebida dessa fonte teve queda de 4,6%.

Impacto do auxílio emergencial

A proporção de pessoas com outras fontes de renda, incluindo programas assistenciais como o Bolsa Família e o auxílio emergencial – que beneficiou 68 milhões de pessoas – diminuiu de 14,3% para 10,6% em 2021, o que resultou em uma queda de 30,1% na renda média obtida por meio dessas fontes.

Após o primeiro ano da pandemia, o número de pessoas beneficiadas pelos programas assistenciais caiu em cerca de 30% em razão das mudanças nos critérios de pagamento.

O total de brasileiros com rendimentos de outras fontes – como aposentadoria, aluguel e arrendamento, pensões e outros – caiu de 28,3% para 24,8% em 2021.

A renda domiciliar mensal per capita chegou ao menor valor em dez anos, caindo para 1.353 reais, o que representa 100 reais a menos do que no ano anterior, ou uma queda de 6,9%, o maior recuo da série histórica.

rc/bl (ots)