Recessão argentina pavimenta fim da era Macri | Notícias sobre a América Latina e as relações bilaterais | DW | 25.04.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages
Publicidade

América Latina

Recessão argentina pavimenta fim da era Macri

Crise no país faz popularidade do chefe de governo despencar nas pesquisas, a seis meses das eleições presidenciais. Sondagens apontam vantagem da ex-presidente Cristina Kirchner.

Presidente da Argentina, Mauricio Macri, fotografado de perfil, cabisbaixo

Presidente da Argentina, Mauricio Macri

Esta quarta-feira (24/04) foi um dia difícil para a economia argentina. A bolsa de valores em baixa, o risco-país atravessou a fronteira psicológica de 900 pontos base, e o peso argentino se desvalorizou novamente. Isso acontece em um país que vem se arrastando numa longa recessão e que em outubro deverá ir às urnas para eleger um novo presidente.

Pela primeira vez desde março de 2014, o nível de risco-país medido pelo banco americano JP Morgan – com o qual se avalia o nível da capacidade de pagamento da dívida soberana – se colocou a caminho dos 1.000 pontos, após haver fechado na terça-feira a 860, num dia em que a moeda argentina enfrentou nova baixa.

No mercado de câmbio, o peso fechou em 44,92 pesos por dólar, na média das casas de câmbio e bancos. Embora outras moedas de países emergentes também tenham sofrido nesta quarta-feira uma nova queda em relação ao dólar – a lira turca caiu para o nível mais baixo em seis meses –, o peso argentino volta a se confirmar como a mais fraca delas, após cair em um único dia 3,47% em relação ao dólar.

Já a moeda americana acumulou um aumento de 119% desde abril de 2018, quando o aumento da taxa de juros nos Estados Unidos começou a atrair para o país capitais que fugiam de nações em desenvolvimento.

Tudo isso se soma à forte baixa de 3,82% no principal índice de ações da Bolsa de Buenos Aires nesta quarta-feira, às fortes perdas das ações argentinas nos EUA e à queda no rendimento dos títulos da dívida argentina, a apenas seis meses para as eleições presidenciais no país sul-americano.

"O mundo duvida que os argentinos queiram voltar atrás, e isso dá muito medo. Então, sobe o risco-país, (os investidores) tomam posições mais defensivas. Mas acredito que estejam equivocados", afirmou o presidente argentino, Mauricio Macri, em entrevista no rádio.

A popularidade de Macri vem despencando há meses nas pesquisas, devido à crise econômica. Para o presidente, que deu a entender em várias entrevistas que se candidatará nas eleições de outubro, a desconfiança dos investidores é resultado do medo de que o peronismo retorne ao poder. Mais especificamente, ele se refere à ex-presidente Cristina Fernández de Kirchner, que governou o país entre 2007 e 2015 e que ainda não confirmou se vai se candidatar.

Pesquisas divulgadas nesta segunda-feira mostram que a ex-presidente, investigada em uma série de casos de corrupção, está à frente de Mauricio Macri.

Ex-presidente argentina Cristina Kirchner acena de uma sacada

Ex-presidente argentina Cristina Kirchner lidera as pesquisas para a eleição presidencial de outubro

"Não basta a explicação do presidente Macri de que 'Cristina vai ganhar as eleições, por isso o risco-país aumenta'. Isso é pouco sério para os argentinos, que sofrem diariamente com essa política econômica", criticou o deputado kirchnerista Agustín Rossi, numa sessão da Câmara.

Segundo o legislador, que já anunciou sua intenção de concorrer às eleições, ninguém sabe "com certeza o que vai acontecer amanhã na economia argentina".

Macri é um dos principais críticos da política econômica adotada por Cristina, especialmente pelo afastamento da diplomacia kirchnerista dos Estados Unidos, pelas proibições de compra de moedas estrangeiras e pelo aumento do histórico déficit fiscal.

Mas o presidente enfrenta há um ano uma grave crise que reduziu praticamente a zero uma sequência de cinco trimestres consecutivos de expansão do Produto Interno Bruto (PIB) do país.

Toda essa incerteza tem impacto direto na inflação, que em março foi de 4,7% em relação a fevereiro e de 54,7% no comparativo anual.

A desvalorização da moeda – com ciclos abruptos de quedas, que o Executivo combate com altas taxas de juros e leilões de dólares –, somada à forte seca que afetou o campo, levou o governo a solicitar em maio do ano passado ao Fundo Monetário Internacional (FMI) um empréstimo por três anos de cerca de 57 bilhões de dólares.

É um plano de ajuda financeira que acarreta fortes ajustes para alcançar o equilíbrio orçamentário para 2019, objetivo que Macri considera essencial para deixar de depender do capital externo.

MG/efe/afp/dw

______________

A Deutsche Welle é a emissora internacional da Alemanha e produz jornalismo independente em 30 idiomas. Siga-nos no Facebook | Twitter | YouTube 

WhatsApp | App | Instagram | Newsletter

Leia mais