Reatores nucleares europeus passarão por teste de resistência | Notícias e análises internacionais mais importantes do dia | DW | 25.03.2011
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Mundo

Reatores nucleares europeus passarão por teste de resistência

Reunião de Cúpula da UE decidiu que reatores nucleares europeus passarão por testes de resistência, seguindo critérios comuns. Relatórios serão apresentados até o final do ano e usinas reprovadas deverão ser desativadas.

default

Reatores serão analisados segundo critérios comuns

Face ao acidente nuclear no Japão, as lideranças da União Europeia (UE) aprovaram uma avaliação completa das centrais nucleares europeias. A segurança das usinas deve ser "avaliada com urgência" através dos chamados testes de resistência, disse o presidente do Conselho da UE, Herman van Rompuy, no encerramento da reunião de cúpula nesta sexta-feira (25/03) em Bruxelas. "Isso tem alta prioridade", acrescentou. Segundo ele, especialmente os países vizinhos da UE, mas também todo o mundo, deveriam ser encorajados a realizar testes semelhantes.

A chanceler federal alemã, Angela Merkel, disse que os testes devem ser uniformes para todos os estados-membros da UE. "A lição do Japão deve ser: testes de resistência unificados na Europa." O presidente da Comissão Europeia, José Manuel Durão Barroso, disse que para a avaliação seriam necessários "critérios claros e comuns". O papel da Comissão seria de "assegurar a credibilidade desta prática". A Comissão Europeia vai sugerir que todas as centrais nucleares na Europa sejam examinadas.

Os critérios para a avaliação deverão ser primeiramente definidos pela Comissão da União Europeia e pelo Grupo Europeu de Alto Nível para a Segurança Nuclear. Os testes em si serão realizados por autoridades nacionais. A análise dos reatores na UE deverá ser avaliada até o final do ano, quando os resultados serão publicados. As centrais que não passarem no teste precisarão ser desativadas ou modernizadas.

O presidente francês Nicolas Sarkozy, em cujo país está localizada a maioria das centrais nucleares na UE, comprometeu-se a desativar usinas que não passarem nos testes de resistência. No entanto, disse ele, é preciso aguardar os resultados. "Algumas pessoas perdem a cabeça em situações de crise – eu não", disse Sarkozy.

Alemanha detecta radiação

EU-Gipfel Van Rompuy

Van Rompuy: testes são alta prioridade

Duas semanas após o início do desastre nuclear no Japão, foi detectada pela primeira vez radiação da central nuclear avariada de Fukushima sobre a Alemanha. Na noite desta quinta-feira, foram encontrados, em três pontos de medição altamente sensíveis, vestígios minúsculos e inofensivos de iodo 131 e xenônio 133, informou nesta sexta-feira o Ministério do Meio Ambiente, em Berlim.

Devido à composição específica da amostra, ficou comprovado que o material é proveniente do reator de Fukushima, segundo o Departamento Federal de Proteção contra a Radioatividade (BfS, na sigla em alemão).

A radiação corresponderia a alguns milionésimos de becquerel por metro cúbico de ar. De acordo com avaliação de especialistas, não há perigo para a saúde.

O controle sobre os alimentos na Alemanha, assim como em toda a União Europeia, foi reforçado por causa do acidente nuclear. "Daqui para frente, alimentos vindos das regiões afetadas só podem entrar na Alemanha depois de serem rigorosamente testados e certificados no Japão", declarou a ministra da Agricultura da Alemanha, Ilse Aigner nesta sexta-feira em Berlim.

Trabalho em Fukushima pode durar meses

A situação dos três reatores da central nuclear japonesa de Fukushima continua "precária", estado que pode durar "semanas ou mesmo meses", segundo declarou o Instituto Francês de Radioproteção e Segurança Nuclear. No comunicado, ele informa continuar "muito preocupado" com a situação nas unidades 1, 2 e 3, as quais foram atingidas por uma série de explosões e incêndios desde que a central foi atingida pelo terremoto e pelo tsunami de 11 de março.

"O governo está fazendo o máximo para colocar a situação sob controle", disse o primeiro-ministro japonês, Naoto Kan, à imprensa nesta sexta-feira. "O governo trabalha 24 horas por dia". Pouco antes, aconteceu um novo alarme sobre água altamente radiativa em Fukushima 1, onde em dois blocos não está havendo qualquer refrigeração.

No reator 5, segundo informação da Tepco, empresa responsável pelas usinas, o sistema regular de resfriamento foi restabelecido. O número de vítimas fatais do terremoto e do tsunami já passa dos 10 mil.

FF/afp/rtr/dpa
Revisão: Roselaine Wandscheer

Leia mais